Alimentação em Foco Menu
Detox, a dieta desintoxicante da moda pode ser prejudicial a saúde

Compartilhar com Facebook Compartilhar com Twitter Compartilhar com Google+ Compartilhar com LinkedIn Compartilhar com Pinterest

Detox, a dieta desintoxicante da moda pode ser prejudicial a saúde


As dietas detox se popularizaram nos últimos anos garantindo resultados milagrosos: rápida perda de peso, melhora na digestão, da pele, dos cabelos e até da vitalidade. E nem é preciso fazer uma busca aprofundada para encontrar as receitas mágicas – elas estão em sites, revistas, programas de TV.

Mas, será que é possível perder peso tão rapidamente e ainda se manter saudável com uma dieta desintoxicante?

“A dieta detox quando realizada por vários dias pode ocasionar diversos prejuízos à saúde que vão desde carências de nutrientes, hipoglicemia, fraquezas, tonturas, dores de cabeça até desmaios”, esclarece a nutricionista Carina Rossoni, doutora em Ciências da Saúde da FAMED/ PUC (RS) e membro do Conselho Regional de Nutrição de Santa Catarina (CRN-10).

Preocupados com a disseminação de receitas e seus benefícios, o Conselho Federal de Nutrição (CFN) soltou uma importante nota sobre Dieta Detox. De acordo com o material, faltam evidências científicas que amparam a eficácia das dietas desintoxicantes.

Além disso, sua utilização não condiz com os princípios da alimentação saudável adequada que, como prevê o Guia Alimentar para a População Brasileira, deve considerar aspectos biológicos e sociais do indivíduo; ser referenciada pela cultura alimentar e pelas dimensões de gênero, raça e etnia; harmônica em quantidade e qualidade e atender aos princípios da variedade, equilíbrio, moderação e prazer.

Carina explica que a composição de dietas detox é bastante heterogênea, mas normalmente inclui a modificação de consistência da alimentação habitual; restrição extrema de calorias, desequilibrando os macro (proteínas, lipídios e carboidratos) e microminerais (minerais e as vitaminas); propõem períodos de jejum; e recomenda consumo de água pura, vegetais e frutas recém processados, que segundo os defensores da dieta detox facilitaria a fase I e II do fígado para a desintoxicação, seguida da indução à diurese (aumento no volume de urina).

“Já possuímos os órgãos responsáveis pela ‘limpeza’ do organismo, que são os rins e fígado. Esses ficam sobrecarregados quando a alimentação é rica em gordura, sódio e açúcares. Porém, toda vez que o padrão alimentar saudável é retomado a sobrecarga reduz e eles voltam a trabalhar normalmente”.

Ou seja, não é preciso nenhuma medida drástica para garantir o funcionamento habitual do organismo.

 

Riscos da dieta desintoxicante (detox):

As reações vão depender da individualidade de cada organismo, mas de forma geral, as dietas restritivas podem causar:

  • Perda da massa muscular: devido ao teor calórico ser bastante restrito, a redução de peso acontece de forma não saudável. Diferentemente do que se imagina, grande parte do emagrecimento é resultado de perda muscular e não redução de gordura. Ou seja, frente a uma grande restrição calórica, o corpo acaba recrutando proteínas musculares para produção de energia.
  • Alteração no metabolismo: após um longo período de restrição calórica e perda de musculatura, o metabolismo desacelera e o corpo passa a dificultar a redução de peso, focando no acúmulo de gordura. Isso porque o organismo acredita estar “em perigo” e passa a concentrar fontes de energia. Por isso, muitas pessoas que se submetem a dias de detox acabam retornando ao peso anterior e até ganhando algumas gramas/
  • Consumo inadequado de proteínas: dietas líquidas são muito restritas em importantes grupos alimentares como das proteínas: carnes, ovos, leites e derivados. Além de prejudicar a formação de hormônios e reparação de tecidos, assim como impactar os níveis de ferro, favorecendo o desenvolvimento da anemia.
  • Comprometimento na absorção de vitaminas (K,A,D,E): a restrição de lipídios (gorduras) pode comprometer a absorção de vitaminas lipossolúveis.
  • Excesso de líquidos: não é benéfico uma vez que o controle de sódio e potássio feito pelos rins pode sofrer um desequilíbrio e aumentar a eliminação de água, o que, em casos graves, pode provocar desidratação.
  • Dietas detox compostas por alimentos com ação estimulante como chá verde e gengibre são contraindicados para crianças, gestantes, hipertensos e indivíduos com gastrite.

 

Exagerei na alimentação, e agora? Devo fazer dieta?

Ainda de acordo com Carina, é recomendável depois dos excessos alimentares que se retome a rotina de ingestão de alimentos saudáveis e ricos em fibras, o consumo de 1,5 a 2 litros de água por dia, além da prática de exercícios físicos.

Se o caso for obesidade, a nutricionista indica o acompanhamento médico: “o tratamento da obesidade foca na reeducação alimentar associada a exercícios físicos regulares. O ideal é que se busque profissionais registrados nos Conselhos Regionais de Nutrição”.

 




O que você procura?





fechar

Obrigado!


Seu cadastro foi realizado com sucesso.



fechar
Loading