Alimentação em Foco Menu
Verduras, legumes e Frutas de Julho

Compartilhar com Facebook Compartilhar com Twitter Compartilhar com Google+ Compartilhar com LinkedIn Compartilhar com Pinterest

Verduras, legumes e Frutas de Julho


Descubra quais são as frutas e legumes desta época do ano!

Um assunto que gera muitas dúvidas em quem procura ter sempre uma alimentação saudável é: em qual época do ano, dá determinada fruta ou legume?

Para resolver este dilema, (pelo menos no mês de julho!) descubra abaixo quais são as os legumes, verduras e frutas de julho!

Abóbora Japonesa

A abóbora japonesa, também conhecida por cabotiá ou cabotian, é o fruto de uma hortaliça da família das cucurbitáceas. Originária do continente Americano, é rica em água, fibras, potássio e vitaminas B6 e C.

Além disso, apresenta altos teores de carotenoides, um importante antioxidante com ação preventiva sobre determinados tipos de câncer, doenças cardiovasculares e que fortalece o sistema imunológico.

Os carotenoides da abóbora apresentam atividade biológica da vitamina A. A abóbora pode ser consumida cozida, assada, em sopas ou purês. Além disso, suas sementes também podem ser consumidas e vêm ganhando interesse da indústria de alimentos para enriquecer com fibras produtos de panificação.

Agrião

O agrião (Nasturtium officinale), também conhecido como agrião d’água, vegetal da família das crucíferas, pode ser naturalmente encontrado em zonas úmidas, como rios e córregos e é de fácil cultivo.

Embora o agrião d’água seja o tipo mais consumido devido ao seu sabor suave, existem outras espécies de agrião cultivadas no Brasil, entre eles o agrião-da terra (Barbarea verna), o de sabor forte, e o agrião-do-seco (Lepidium sativum), cultivado principalmente para produção de brotos.

Estudos mostram que o agrião é fonte de luteína, um potente antioxidante que previne danos causados nos tecidos por radicais livres.

Alho Poró

O alho poró (Allium porrum), também conhecido por alho francês ou alho poró, é um vegetal pertencente à família do alho e cebola.

Devido ao sabor menos intenso quando comparado à cebola, o alho poró é utilizado no preparo de tortas, saladas e sopas, como a famosa sopa francesa vichyssoise. Por ser rico em inulina, o alho porró possui propriedades prebióticas, associadas à capacidade de selecionar microrganismos benéficos à saúde.

Além disso, a inulina encontrada no alho poró atua como fibra alimentar e contribui para o equilíbrio mineral do organismo.

Batata doce

A batata doce (Iponomea batatas) é uma hortaliça tuberosa originária da América do Sul, de constituição herbácea, rastejante, verde ou arroxeada. No Brasil é cultivada em todas as regiões, embora esteja mais presente nas regiões Sul e Nordeste, notadamente nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Pernambuco e Paraíba.

O programa de melhoramento genético da Embrapa Hortaliças, divulgado em março de 2017, desenvolve um projeto que visa o desenvolvimento de cultivares de batata-doce para aplicação industrial, na produção de chips. Os chips são obtidos através de um processo industrial chamado extrusão, para formar um produto com características físicas e geométricas pré- estabelecidas.

Cebola

A cebola (Allium cepa) é uma hortaliça bulbosa, consumida com grande frequência pela população brasileira principalmente como condimento, sendo geralmente utilizada em refogados, mas também cozida, crua em saladas ou até mesmo empanadas e fritas.

Sua produção anual é de cerca de 66 milhões de toneladas e os principais produtores mundiais são China, Estados Unidos e Índia. Há algum tempo esta hortaliça vem despertando interesse na indústria alimentícia devido seu teor de compostos benéficos ao organismo humano como, como os flavonoides.

Coco seco

O coqueiro (Coccus nucifera L.), originário das ilhas de clima tropical e subtropical do Oceano Pacífico, é uma planta de grande importância socioeconômica.

O coco seco (ou coco maduro) é destinado tanto ao uso in natura, quanto à industrialização, para obtenção de produtos como coco ralado, leite de coco, doces, farinha. Subprodutos podem ser comercializados na forma de fibras.

Segundo a Associação Brasileira de Produtores de Coco (ABRASCOCO), o cultivo no país é formado pelas variedades: gigante (70%), anão (20%) e híbrido (10%). O potencial de mercado de água de coco é bastante promissor, competindo inclusive com as bebidas do tipo isotônicos, entre outras, devido às propriedades funcionais.

Mostarda

Mostarda é o nome dado às sementes de plantas herbáceas dos gêneros Brassica e Sinapsis. Os grãos são utilizados como condimento e, ao serem misturadas com água e vinagre, originam o famoso molho de mostarda, um dos ícones da indústria alimentícia.

A partir dos grãos também pode ser obtido o óleo de mostarda, que vem sendo muito utilizado como antimicrobiano e para o controle de nematoides na produção de hortaliças, despontando como uma alternativa aos defensivos agrícolas. As folhas também são comestíveis e ricas em fibras, potássio e vitamina C.

Além disso, as folhas da mostarda apresentam atividade antibacteriana.

Nêspera (ameixa amarela)

A nêspera (Eriobotrya japonica), ou ameixa amarela, é o fruto da nespereira, árvore de porte médio de origem chinesa. A nêspera é um fruto adocicado rico em fibras, pectina, potássio, além de alto teor de vitamina C. O fruto pode ser consumido in natura, em sucos, licores e geleias.

Em função do alto teor de fibras, que auxiliam no funcionamento gastrintestinal, muitos estudos vêm sendo realizados para aplicação industrial do fruto em biscoitos, bolos e farinhas.

Além disso, o extrato da semente de nêspera vem sendo prospectado para aplicação em outros produtos alimentícios, em razão do poder antioxidante que apresenta.

Aproveite as frutas de julho para manter uma alimentação saudável neste período mais frio do ano. Isso vai contribuir para manter sua saúde em dia!

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BARA, M.T.F.; VANETTI, M.C.D. Estudo da atividade antibacteriana de plantas medicinais, aromáticas e corantes naturais. Revista Brasileira de Farmacognosia, v.7-8, n.1, p. 22-34, 1998.

BORBA, Alexandra M.; SARMENTO, Silene B. S.; LEONEL, Magali. Efeito dos parâmetros de extrusão sobre as propriedades funcionais de extrusados da farinha de batata-doce. Food Science And Technology, Campinas, p.835-843, dez. 2005.

BORGES, S.V.; BONILHA, C.C.; MANCINI, M.C. Sementes de jaca (Artocapus integrifólia) e de abóbora (Curcubita moschata) desidratadas em diferentes temperaturas e utilizadas como ingredientes em biscoitos tipo cookie. Alimentos e Nutrição, v. 17, n. 3, p.317-321, 2006.

BUENO, R.O.G. Características de qualidade de biscoitos e barras de cereais ricos em fibra alimentar a partir da farinha de semente de polpa de nêspera. 103p. 2005. Dissertação (Mestrado em Tecnologia de Alimentos). Universidade Federal do Paraná, Setor de Tecnologia, Curitiba, 2005.

CÂMARA, Francisco A. A. et al. Desempenho agronômico de cultivares de batata-doce oriundas de ramas produzidas de forma convencional e in vitro. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, Recife, v. 8, n. 3, p.370-374, dez. 2013.

CAMPOS, J.T.; HASEGAWA, P.N.; PURGATTO, E.; LAJOLO, F.; CORDENUNSI, B.R. Qualidade pós-colheita de nêsperas submetidas ao armazenamento sob baixa temperatura e atmosfera modificada. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v. 27, n. 2, p. 401-407, 2007.

CARVALHO, Joelia Marques de et al. Água-de-coco: Propriedades nutricionais, funcionais e processamento. Ciências Agrárias, Londrina, v. 27, n. 3, p.437-452, set. 2006.

EMBRAPA. Embrapa desenvolve cultivares de batata-doce para produção de chips. Disponível em: <http://www.diariodocomercio.com.br/noticia.php?id=179180>. Acesso em: 20 jun. 2017.

GALANTE, R.M. Extração de Inulina do alho (Allium sativum L. var. Chonan) e simulação dos processos em batelada e em leito fixo. 95p. 2008. Dissertação (Mestrado em Engenharia Química). Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Tecnológico CTC, Florianópolis, 2008.

GEAF – Grupo de Estudos em Alimentos Funcionais. Cebola: condimentando sua saúde. Disponível em <http://grupoalimentosfuncionais.blogspot.com.br/2013/12/cebola-condimentando-sua-saude.html>. Acesso em: 27 jun. 2017.

MAIA, C.I.G. Processamento de Agrião para recuperação de compostos bioactivos, com aplicação na indústria dos Nutracêuticos. 2014. 114p. Dissertação (Mestrado em Engenharia Alimentar) – Instituto Superior de Agronomia. Universidade de Lisboa, Lisboa, 2014.

MARTINS, Carlos Roberto; JESUS JÚNIOR, Luciano Alves de. Evolução da produção de coco no Brasil e o comércio internacional – Panorama 2010. Embrapa Tabuleiros Costeiros, Aracaju, p.28-60, jun. 2011.

NOVELLA, Manuel B.. Produção de agrião em dois sistemas de cultivo hidropônico. Disponível em: <http://www.abhorticultura.com.br/biblioteca/arquivos/Download/Biblioteca/cpfg2013c.pdf>. Acesso em: 27 jun. 2017.

NUNES, Maria Urbana Corrêa; SANTOS, Júlio Renovato dos; SANTOS, Thiago Claiton dos. Tecnologia para Biodegradação da Casca de Coco Seco e de outros Resíduos do Coqueiro. Aracaju: Embrapa Tabuleiros Costeiros, 2007. 6 p.

PESTANA, C.M. D. Efeitos do processamento sobre a disponibilidade de carotenóides, fenólicos totais e atividade antioxidante em quatro cultivares de batata doce (Ipomoea batatas L.) biofortificados. 2011. 88 f. Dissertação (Mestrado em Ciência e Tecnologia de Alimentos). Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”. Piracicaba, Universidade de São Paulo, 2011.

PICCOLO, J. Potencial da semente de nêspera (Eriobotrya japonica) na estabilidade oxidativa de produtos de jundiá. 166p. 2014. Tese (Doutorado em Ciência e Tecnologia de Alimentos). Universidade Federal de Santa Maria, Centro de Ciências Rurais, Santa Maria, 2014.

PINHEIRO, R. R.. Produção de agrião d’agua em hidroponia com diferentes densidades de semeadura. Disponível em: <http://www.unifra.br/eventos/sepe2012/Trabalhos/6543.pdf>. Acesso em: 27 jun. 2017. RONCATO, S.C. Teores de proteínas, e fibras de taioba, ora-pro-nobis, serralha e mostarda coletadas no município de Diamantina. 141p. 2015. Tese (Doutorado em Ciências). Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Marechal Cândido Rondon, 2015. STRINGHETA, Paulo Cesar et al. Luteína: propriedades antioxidantes e benefícios à saúde. Alimentos e Nutrição Araraquara, Araraquara, v. 17, n. 2, p.229-238, jun. 2006. SOUZA, C.O.; MENEZES, J.D.S.; RAMOS NETO, D.C.; ASSIS, J.G.A.; SILVA, S.R.; DRUZIAN, J.I. Carotenoides totais e vitamina A de cucurbitáceas do Banco Ativo de Germoplasma da Embrapa Semiárido. Ciência Rural, v.42, n.5, p.926-933, 2012.

TABELA BRASILEIRA DE COMPOSIÇÃO CENTESIMAL – TACO/Unicamp. Publicação Eletrônica. Disponível em: <http://www.unicamp.br/nepa/ taco/contar/taco_versao2>.pdf. Acesso em 26/06/2017




O que você procura?





fechar

Obrigado!


Seu cadastro foi realizado com sucesso.



fechar
Loading