Alimentação em Foco Menu
Frutas, verduras e legumes do mês de outubro

Compartilhar com Facebook Compartilhar com Twitter Compartilhar com Google+ Compartilhar com LinkedIn Compartilhar com Pinterest

Frutas, verduras e legumes do mês de outubro


Berinjela

A berinjela, botanicamente classificada como Solanum melongena L., é originária da Índia e foi introduzida no Brasil no século XVI pelos portugueses. Os árabes, os orientais (principalmente os japoneses) e seus descendentes são os maiores consumidores desta hortaliça. O consumo da berinjela crua não é indicado, uma vez que ela apresenta solanina em sua composição, uma substância causadora de graves distúrbios intestinais. Deste modo, ela deve ser submetida a algum método de cocção. Sua utilização em diversas receitas incluem sucos, farinhas, saladas e massas. A berinjela apresenta ação antioxidante e anti-inflamatória em função da sua composição fenólica, destacando-se as antocianinas, responsáveis pelo pigmento roxo da berinjela. Estes compostos inibem a produção de radicais livres, protegendo moléculas de DNA e contribuindo para a redução do desenvolvimento de câncer.

Goiaba

A goiaba (Psidium guajava) é uma fruta originada na região tropical do continente americano, com destaque para o Brasil e região do Caribe, sua árvore é denominada por goiabeira, e pode chegar a atingir até oito metros de altura. Dependendo da espécie, o fruto pode possuir casca de cor amarela ou verde e sua polpa pode ser vermelha ou branca. O tamanho do fruto pode variar de 3 a 10 cm de diâmetro e apresentar formato ovalado. A goiaba é uma fruta rica em vitamina C – em teores superiores ao do limão e da laranja -, além de vitaminas A e do complexo B, com concentrações variando de acordo com a espécie. No geral, as goiabas apresentam minerais como ferro, fósforo e cálcio, além de uma grande quantidade de fibras, que se concentram em grande parte na casca. Outro benefício à saúde é a baixa quantidade de gordura e açúcar presentes na fruta, sendo seu consumo in natura o mais indicado para melhor aproveitamento dos nutrientes.

Jiló

O jiló (Solanum gilo) é o fruto do jiloeiro, uma herbácea de origem africana muito cultivada e conhecida no Brasil. O jiló é classificado como um legume e, a depender da variedade, pode ter formato oblongo, esférico ou alongado e a coloração pode variar do verde claro ao escuro. O jiló possui em sua composição: cerca de 92% de água; 6,2% de carboidratos; 4,8% de fibras; dentre os minerais, destacam-se: potássio, fósforo, magnésio e cálcio; além de vitamina C. O jiló contém antioxidantes da classe dos flavonoides que possuem ação na redução do colesterol. Além disso, o amargor pronunciado deste legume ocorre em função da importante concentração de substâncias alcaloides, que conferem sabor amargo aos alimentos.

Mamão Havaí

O mamão (Carica papaya L.) é uma fruta originária da América Tropical, sendo que o Brasil é o segundo maior produtor mundial da fruta. A variedade Havaí, também conhecida como papaia, possui peso médio de 500g e formato de pera. Sua polpa tem cor vermelho-alaranjada, com cavidade interna em forma de estrela. O mamão é constituído principalmente por água, com teor de umidade de 86%. É uma fruta rica em vitamina C, cálcio, ferro e potássio. Seu consumo ocorre in natura, ou na forma de vitaminas, cremes, sorvetes, entre outras preparações. Além disso, o mamão verde é rico em papaína, uma enzima proteolítica, capaz de quebrar proteínas e muito utilizada como amaciante de carnes. A papaína extraída do mamão é o ingrediente ativo dos amaciantes de carne comerciais, mas também é possível utilizar o suco do mamão verde com o mesmo propósito.

Manga Tommy

A manga (Mangifera indica L.), originária do sudoeste asiático, é uma fruta tropical de alto valor comercial em muitas regiões, apreciada por seu sabor, aroma e coloração característica. Uma das variedades mais conhecidas é a Tommy Atkins, originária na Flórida (EUA). Seus frutos apresentam peso de aproximadamente 500 g, coloração alaranjada, amarelada, avermelhada ou púrpura, polpa consistente, firme e suculenta, casca aderente e teor de fibras considerável. A fruta também apresenta alto valor nutricional, sendo considerada fonte de compostos antioxidantes como a vitamina C e compostos fenólicos, os quais conferem benefícios à saúde devido à sua capacidade antioxidante.

Nozes

As nozes verdadeiras são frutas secas, espessas e muitas vezes contêm espinhos que recobrem sua semente. Dentre as mais conhecidas temos: a amêndoa, a pecã, a castanha-do-Brasil, a castanha-de-caju, o pistache, a avelã, a macadâmia, a noz e a castanha. São caracterizadas por conter teores elevados de lipídeos e proteínas. A qualidade proteica desses alimentos permite a ingestão da maioria dos aminoácidos essenciais necessários para atender às necessidades metabólicas de crianças a adultos. As nozes são fonte de nutrientes e compostos bioativos. Dentre eles destacam-se: o perfil de ácidos graxos, contendo, os ácidos oléico e linoléico, os altos teores de vitamina E e selênio. Algumas nozes apresentam importantes teores de fibras alimentares insolúveis. O consumo frequente e equilibrado destes fitoquímicos em conjunto com uma alimentação saudável, está associado com a redução do risco de doenças cardiovasculares.

Physalis

A physalis (Physalis L.), pertencente à família Solanaceae, sendo a América do Sul um dos principais centros de origem e diversidade. É um fruto de alto valor nutricional, e grande importância farmacológica, devido à presença de substâncias (como p.ex. flavonoides simples e glicosilados, alcaloides e terpenos) com diversas propriedades terapêuticas comprovadas. A physalis é constituída por uma baga carnosa, em formato de globo, com diâmetro que oscila entre 1,25 e 2,50 cm e peso entre 4 e 10 g. No Brasil, o fruto é consumido como produto fino, com alto valor agregado, e está sendo produzido em associação ao cultivo de pequenas frutas.

Pimenta

Existem basicamente dois gêneros de pimenta, o Piper (ex: pimenta-do-reino) e o Capsicum (Ex: pimenta-malagueta), podendo apresentar diversas cores, formatos e picância de acordo com a variedade. Umas das principais características das pimentas é a sua pungência, ou seja, seu sabor picante ou ardido, conferido pelos capsaicinoides, compostos presentes principalmente nas sementes e na placenta, região que liga as sementes à polpa. O nível de ardência das pimentas é medido em uma escala chamada “Scoville”, onde quando maior o número de unidades Scoville, maior a sua picância. A pimenta biquinho é uma das variedades brasileiras mais suaves, no que diz respeito à picância, apresentando apenas 500 unidades da Scoville, enquanto a jalapenho: 7000 unidades; a pimenta-de-cheiro: 30.000; a malagueta: 95.000; e a Carolina Reaper, a pimenta mais ardida do mundo, apresenta 1.650.000 unidades. Além do sabor característico, as pimentas também apresentam valor nutricional e funcional, associado ao seu conteúdo de vitaminas C e E, fibras e sais minerais. Além disso, também apresentam elevadas concentrações de carotenoides, pigmentos responsáveis por conferir as cores amarelo, laranja e vermelho nas pimentas, apresentam atividade pró vitamina A.

Referências:

BRUNINI, M. A.; DURIGAN, J. F.; OLIVEIRA, A. L. Avaliação das alterações em polpa de manga ‘Tommy-Atkins’ congeladas. Revista Brasileira de Fruticultura, v. 24, n. 3, p. 651-653, 2002.

EMBRAPA CLIMA SEMIÁRIDO. Sistemas de Produção, 2 ISSN 1807-0027. Versão eletrônica Agosto/2010. Acesso em: 26 set. 2016.

EMBRAPA (Brasil). Mamão. Disponível em: <https://www.embrapa.br/mandioca-e-fruticultura/cultivos/mamao>. Acesso em: 25 set. 2016.

FARAONI, A. S.; RAMOS, A. M.; STRINGHETA, P. C. Caracterização da manga orgânica cultivar Ubá. Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais, v. 11, n. 1, p. 9-14, 2009.

FREITAS, J. B.; NAVES, M. M. V. Composição química de nozes e sementes comestíveis e sua relação com a nutrição e saúde. Revista de Nutrição, v. 23, n. 2, 2010.

LIMA, C. S. M. Fenologia, sistemas de tutoramento e produção de Physalis peruviana na região de Pelotas, RS. 2009. 117 f. Dissertação (Mestrado em Fruticultura de Clima Temperado) – Programa de Pós-Graduação em Agronomia, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2009.

LIMA, C. S. M.; SEVERO, J.; MANICA-BERTO, R.; SILVA, J.A.; RUFATO, L.; RUFATO, A.R. Características físico-químicas de physalis em diferentes colorações do cálice e sistemas de condução. Revista Brasileira de Fruticultura, v. 31, n. 4, p.1060-1068, 2009.

MILAGRES, R. C. R. M. Efeito da irradiação do 60Co na conservação e qualidade de pimenta in natura e em polpa. 2014. 119 f. Tese (Doutorado em Energia Nuclear na Agricultura e no Ambiente) – Programa de Pós-Graduação em Ciências, Centro de Energia Nuclear na Agricultura da Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2014.

NOVO, M.C.S.S.; TRANI, P.E.; ROLIM, G.S.; BERNACCI, L. C. Desempenho de cultivares de jiló em casa de vegetação. Bragantia, vol.67, n.3, p.693-700, 2008.

ODETOLA, A.A.; IRANLOYE, Y.O.; AKINLOYE, O. Hypolipidaemic Potentials of Solanum melongena and Solanum gilo on Hypercholesterolemic Rabbits. Pakistan Journal of Nutrition, v 3, n 3, p. 180-187, 2004.

OPAS. Benefícios do Mamão. Disponível em: <http://www.opas.org.br/beneficios-mamao/>. Acesso em: 25 set. 2016.

PEDREIRA, C.M.S. Enzimas proteolíticas de plantas usadas no amaciamento da carne: bromelina, ficina e papaína. 2001. Disponível em: <http://www.beefpoint.com.br/radares-tecnicos/qualidade-da-carne/enzimas-proteoliticas-de-plantas-usadas-no-amaciamento-da-carne-bromelina-ficina-e-papaina-4977/>. Acesso em: 25 set. 2016.

TABELA BRASILEIRA DE COMPOSIÇÃO CENTESIMAL (TACO). 4ª Edição revisada e ampliada (2007). Documento em versão eletrônica. Disponível em: <http://www.unicamp.br/nepa/taco/contar/taco_4_edicao_ampliada_e_revisada.pdf?arquivo=taco_4_versao_ampliada_e_revisada.pdf>. Acesso em 21/09/2016.

TANAN, T. T. Fenologia e caracterização dos frutos de espécies de Physalis cultivadas no semiárido baiano. 2015. 46 f. Dissertação (Mestrado em Recursos Genéticos Florestais) – Programa de Pós-Graduação em Recursos Genéticos Vegetais, Universidade Estadual de Feira de Santana, Feira de Santana, 2015.

TOLEDO, R.C.L.; BRITO, L.F.; RIBEIRO, S.M.R.; PELUZIO, M.C.G.; SIQUEIRA, C.L.M.; QUEIROZ, J.H. Efeito da ingestão da polpa de manga (Mangifera indica L.) sobre os parâmetros bioquímicos séricos e integridade hepática em ratos. Bioscience Journal, v. 29, n. 2, p. 516-525, 2013.

RIBEIRO, C.S.C. Berinjela (Solanum melongena L.). Embrapa Hortaliças; 2007. Disponível em: <http://sistemasdeproducao.cnptia.embrapa.br>. Acesso em: 25 set. 2016.

SANTOS, K.A.; KARAM, L.M.; FREITAS, R.J.S.; STERTZ, S.C. Composição química da berinjela (Solanum melongena L.). Boletim CEPPA, v. 20, n. 2, p. 247-256, 2002




O que você procura?





fechar

Obrigado!


Seu cadastro foi realizado com sucesso.



fechar
Loading