Alimentação em Foco Menu
Frutas e verduras do mês de março

Compartilhar com Facebook Compartilhar com Twitter Compartilhar com Google+ Compartilhar com LinkedIn Compartilhar com Pinterest

Frutas e verduras do mês de março


Conheça as frutas e verduras da estação e os benefícios de cada uma!

Entender os valores nutricionais e benefícios de cada alimento é essencial para manter uma alimentação saudável e equilibrada.Por isso, é necessário saber o que você pode aproveitar de melhor em cada estação do ano. Confira no nosso post abaixo!

Abacate

AbacateO abacate (Persea americana Mill) é uma fruta que possui grande quantidade de lipídeos, dentre eles, o ácido oleico (ômega-9), conhecido por proporcionar efeitos benéficos à saúde, prevenindo doenças cardiovasculares, ao reduzir os níveis de triglicerídeos e o colesterol (LDL) sanguíneo.

O óleo de abacate é um produto extraído da polpa da fruta, podendo ser utilizado por indústrias de alimentos, fármacos e de cosméticos. Na indústria alimentícia, o óleo de abacate pode ser utilizado como alternativa às misturas de óleo de oliva com óleos vegetais (principalmente óleo de soja), podendo ser o substituto desses óleos.

Banana Nanica

Banana Nanica A banana Nanica (Musa spp.), cujo nome é relacionado ao porte da bananeira, é uma fruta rica em carboidratos e fonte de diversas vitaminas, como A, B, e C, além de minerais como cálcio, ferro, fósforo e principalmente potássio.

Quando armazenadas sob temperaturas inferiores a 12 °C, tendem a apresentar escurecimento da casca – fenômeno conhecido como “injúria pelo frio”, que desencadeia um conjunto de reações bioquímicas. Embora a refrigeração do alimento seja o principal método de conservação das bananas, a indústria de alimentos também faz uso de outras tecnologias como as embalagens com atmosfera modificada.

Caqui

CaquiO caqui é um fruto originário da Ásia, caraterizado por apresentar consistência gelatinosa e ser bastante delicado. Possui elevado teor de vitamina C e nutrientes minerais, com destaque para o potássio, o fósforo e o cálcio.

O consumo deste fruto ocorre comumente na forma in natura, podendo também passar pelo processo de desidratação, obtendo-se o caqui-passa. A fruta desidratada apresenta teores de fibra, açúcares e outros componentes mais concentrados, além de um prazo de validade maior em função do seu baixo teor de água.

Limão Tahiti

Limão TahitiO limão Tahiti (Citrus latifolia) é uma fruta de origem tropical e apresenta relevância comercial para o agronegócio brasileiro. Este fruto destaca-se por constituir fonte rica em vitamina C e minerais como potássio e fósforo, sendo utilizado comumente em diversas preparações culinárias e na medicina popular. O processamento industrial do suco de limão, gera subprodutos que permitem a produção de óleos essenciais, podendo ser aplicados em diversos setores, como alimentício, perfumaria, farmacêutico, etc.

Berinjela

BerinjelaA berinjela (Solanum melongena L.) é uma hortaliça originária do Oriente, cultivada por árabes e chineses, e introduzida no Brasil por volta do século XVI. É fonte de fibras e minerais – como potássio, magnésio e ferro.

Alguns estudos apresentam efeitos benéficos do uso da berinjela para o controle dos níveis de colesterol plasmático, sendo os efeitos associados à quantidade de fibras e a capacidade antioxidante dessa hortaliça.

Milho-verde

Milho-verdeO milho (Zea Mays) é originário das Américas e apresenta elevados teores de carboidratos, ferro, fósforo, potássio e vitaminas B1 e E. O Brasil deve colher uma safra recorde de 88,014 milhões de toneladas de milho em 2017, um aumento de 38,9% em relação a 2016. Devido ao relevante crescimento, a indústria de alimentos tem adotado tecnologias que aumentam a praticidade e a vida de prateleira do milho verde, podendo ser encontrado na forma congelada, enlatada ou em pó para o preparo de cremes e sopas, por exemplo.

Quiabo

QuiaboO Quiabo (Abelmoschus esculentum) é um legume de origem africana com ótimo desenvolvimento em regiões tropicais. Quando cru, uma porção de 100 gramas de quiabo apresenta, aproximadamente, 90,6% de água, 1,9% de proteínas, 6,4% de carboidratos, 4,6% de fibra alimentar, além de apresentar minerais como cálcio e magnésio.

Pode ser consumido de diversas formas, como cozido, assado, refogado, frito ou cru. Novas formas de comercialização do quiabo, diferentes da forma in natura, vêm sendo exploradas pela indústria alimentícia ultimamente, como o produto minimamente processado (higienizado e cortado servido em bandejas, congelado ou desidratado).

Rúcula

RúculaA rúcula (Eruca sativa) é uma hortaliça folhosa pertencente à família Brassicaceae, originária de regiões mediterrâneas e da Ásia Ocidental. Suas folhas apresentam sabor levemente picante característico e podem ser utilizadas no preparo de saladas cruas e refogadas.

É rica em vitamina C (46,3mg/100g), potássio (233mg/100g) e cálcio (117mg/100g). Devido as suas propriedades nutritivas é uma hortaliça que tem se destacado no cenário mundial, sendo cultivada ao longo do ano em numerosas regiões do país, no entanto, produz melhor em regiões de temperaturas amenas (20 a 25ºC).

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

BUENO, M. A. A.. Caqui Cv Fuyu submetido à desidratação osmótica e secagem por convecção. 2014. 49 f. TCC (Graduação em Bacharelado em Química). Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Pato Branco, 2014.

BIZZO, H. R. et al. Óleos essenciais no Brasil: aspectos gerais, desenvolvimento e perspectivas. Química Nova, São Paulo, v. 32, n. 3, p.588-594, abril. 2009.

CANTO, W. L.; SANTOS, L. C.; TRAVAGLINI, M. M. E. Óleo de abacate: extração, usos e seus mercados atuais no Brasil e na Europa. Estudos Econômicos. Campinas: ITAL, 1980. 144p. (Alimentos Processados, 11)

CARNELOSSI, Marcelo Augusto G. et al. Determinação das etapas do processamento mínimo de quiabo. Horticultura Brasileira, Brasília, v. 23, n. 4, p.970-975, dez. 2005.

ENSINAS, Simone Cândido et al. Fertirrigação na formação de mudas de rúcula em diferentes substratos. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 12, n. 3, p.238-246, mar. 2013.

FILHO, I. A. P. O Cultivo de Milho Verde. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Disponível em <http://livraria.sct.embrapa.br/liv_resumos/pdf/00074290.pdf>. Acesso em 22/02/2017.

FORC – Food Research Center. Por que a banana escurece na geladeira?. Disponível em <https://www.usp.br/forc/o-cientista-responde.php?t=Por-que-a-banana-escurece-nageladeira?& cr=93#sthash.lKu16qMW.dpuf processo>. Acesso em 22/02/2017.

GLOBO, Editora. Safra de milho deve ser 38,9% maior em 2017, com produção recorde, diz IBGE. 2017. Disponível em: <http://revistagloborural.globo.com/Noticias/Agricultura/Milho/noticia/2017/02/globo-ruralsafra- de-milho-deve-ser-389-maior-em-2017-com-producao-recorde-diz-ibge.html>. Acesso em: 23 fev. 2017.

HARDER, Wilmara Corrêa; ZÁRATE, Néstorantonio Heredia; VIEIRA, Maria do Carmo. Produção e renda bruta de rúcula (Eruca sativa Mill.) ‘Cultivada’ e de almeirão (Cichorium intybus L.) ‘Amarelo’ em cultivo solteiro e consorciado. Ciência e Agrotecnologia, Lavras, v. 29, n. 4, p.775-785, ago. 2005.

JORGE, P. A. R et al. Efeito da Berinjela sobre os Lípides Plasmáticos, a Peroxidação Lipídica e a Reversão da Disfunção Endotelial na Hipercolesterolemia Experimental. Arq Bras Cardiol, Campinas, v. 70, n. 20, p.87-91, 1998.

MENDONÇA, L. M. V. L. et al. Caracterização da composição química e do rendimento dos resíduos industriais do limão Tahiti (Citrus latifolia Tanaka). Ciência e Tecnologia de Alimentos, Campinas, v. 26, n.4, p.870-874, out-dez. 2006.

MOTA, R. V.; LAJOLO, F. M.; CORDENUNSI, B. R.. Composição em carboidratos de alguns cultivares de banana (Musa spp.) durante o amadurecimento. Ciência e Tecnologia de Alimentos, Campinas, v. 17, n. 2, p.94-97, ago. 1997.

POLLAN, M. O Dilema do Onívoro: Uma História Natural de Quatro Refeições. Editora Intrínseca, 461 pp.

REBOLLO, A. J.G.; BOTEJA, E, M.; CANSADO, A. O.; BLANCO, P.J.M.; BELLIDO, M.M.; SÁNCHEZ, A.F.; ARIAS, P.M; ALVAREZ, J.E.C. Effects of comsumption of meat product rich in monounsaturated fatty acids (the ham from the Iberian pig) on plasma lipids. Nutrition Research, Tarrytown, v.18, p. 743-750, 1998.

SANTOS K. A. et al. Composição química da berinjela (Solanum melongena L.). B.CEPPA, Curitiba, v. 20, n. 2, p.247-256, 2002. SILVA, R. F. Indução de resistência em plantas de Berinjela e Tomate por Lentinula edodes e Agaricus blazei contra bactérias causadoras de murcha (Ralstonia solanacearum) e cancro (Clavibacter michiganensis subsp. Michiganensis). 2007. 110 f. Tese (Doutorado) – Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2007.

SILVA, Simone Faria; DIONÍSIO, Ana Paula; WALDER, Júlio Marcos Melges. Efeitos da radiação gama em banana “Nanica” (Musa sp., grupo AAA) irradiada na fase pré-climatérica. Alimentos e Nutrição, Araraquara, v. 18, n. 3, p.331-337, set. 2007.

SOARES, S.E.; MANCINI FILHO, J.; DELLA MODESTA, R.C. Sensory detection limits of avocado oil in mixtures with olive oil. Revista Española de Ciencia y Tecnologia de Alimentos, v. 32, n. 5, p. 509- 516, 1992. TABELA BRASILEIRA DE COMPOSIÇÃO CENTESIMAL (TACO). 4ª Edição revisada e ampliada (2007). Documento em versão eletrônica. Disponível em: <http://www.unicamp.br/nepa/taco/contar/taco_4_edicao_ampliada_e_revisada.pdf?arquivo=taco_4_versao_ampliada_e_revisada.pdf>. Acesso em 21/02/2017.

TANGO, J. S.; TURATTI, J. M. Óleo de abacate. In: ABACATE cultura, matéria-prima, processamento e aspectos econômicos. Campinas: ITAL, 1992. p. 156-192.

TURATTI, J. M.; GOMES, R.A.R.; ATHIÉ, I. Lipídeos: aspectos funcionais e novas




O que você procura?





fechar

Obrigado!


Seu cadastro foi realizado com sucesso.



fechar
Loading