Alimentação em Foco Menu
Frutas, verduras e legumes de dezembro

Compartilhar com Facebook Compartilhar com Twitter Compartilhar com Google+ Compartilhar com LinkedIn Compartilhar com Pinterest

Frutas, verduras e legumes de dezembro


Amêndoas

A amendoeira (Prunus dulcis) é uma espécie pertencente à família Rosaceae, originária da região Mediterrânea. As amêndoas são ricas em proteínas, fibras, gorduras monoinsaturadas, magnésio, fitoquímicos e vitamina E. Além de seu elevado valor nutritivo, as amêndoas são reconhecidas por conter compostos que possuem efeitos biológicos interessantes, como efeitos sedativos, anti-inflamatório, anticancerígeno e antioxidante. São mundialmente utilizadas como ingredientes em padarias e confeitarias, além de também serem consumidas como snacks.

Figo

O figo (Ficus carica) é originário da região do Mediterrâneo e apresenta grande capacidade de adaptação a diferentes climas. Esta fruta é consumida desde a Antiguidade, sendo uma das plantas mais antigas cultivadas no mundo. O figo pode ser encontrado com diversas colorações, como: preto, roxo, vermelho, verde ou amarelo. Sua polpa é suculenta e altamente energética em função da alta concentração de açúcar. O figo apresenta minerais como: o potássio, cálcio e o fósforo, que possuem grande importância na formação dos ossos e no bom funcionamento do organismo. Além disso, também apresenta vitamina C em teores consideráveis. O figo verde é usado na produção de doces e compotas, enquanto o maduro é normalmente consumido in natura e utilizado na preparação de doces em pasta.

Lichia

A lichia (Litchi chinensis) é um fruto de origem asiática, também conhecida como lecheira, licheira ou uruvaia e pode ser utilizado como matéria-prima para: sucos, geleias, sorvetes, cremes e compotas. Em 100g de polpa de lichia observa-se, em média, 81g de água, 18g de carboidratos, 1,1g de proteínas e 0,1g de lipídeos. A lichia possui expressiva concentração de vitamina C e minerais como: potássio, ferro, zinco, magnésio, fósforo e cálcio. Além disso, também é fonte de compostos fenólicos, agentes antioxidantes que possuem capacidade de sequestrar radicais livres e que possuem benefícios, como: efeitos cardioprotetores, capacidade de redução de colesterol e efeitos benéficos no controle do peso.

Pêssego

O pêssego (Prunus persica L.) é uma fruta nativa da China e Oriente Médio, podendo apresentar polpa de coloração branca a amarela. Os pêssegos são muito apreciados por suas qualidades gustativas e estéticas, sendo consumidos in natura ou após processamento, na forma de sucos, geleias, compotas, doces em pasta, cristalizado, vinhos, licores, sorvetes, etc. O pêssego é rico em minerais como: fósforo, potássio, cálcio e magnésio. Este fruto apresenta em sua composição compostos fenólicos, carotenoides e vitamina C, que possuem efeitos na redução da concentração de radicais livres e auxílio na prevenção de doenças crônicas degenerativas.

Pimentão

O pimentão (Capsicum annuum L.), nativo da América Central e do norte da América do Sul, está entre as dez hortaliças mais importantes cultivadas no Brasil. Muito utilizado na culinária de diversos países, pode ser encontrado principalmente nas cores verde, amarelo e vermelho, porém também existem o branco, o roxo, o azul, o preto e o laranja. Os frutos de pimentão possuem elevados teores de substâncias com propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias, tais como vitaminas C e E, flavonóides e carotenoides, substâncias com atividade pró-vitamina A encontradas especialmente nos pimentões de coloração amarela e vermelha. Além disso, também apresenta teores de sais minerais como cálcio, sódio, fósforo e ferro.

Romã

A romã (Punica granatum) é uma fruta originária do Oriente Médio e tem sido utilizada há séculos em culturas antigas na medicina popular. Este fruto pode ser consumido in natura e ainda como sucos e chás. Apresenta elevado potencial antioxidante devido à presença de compostos fenólicos, os quais são responsáveis pela prevenção de doenças degenerativas. Pesquisas científicas apontam que a casca de romã apresenta maior concentração de compostos fenólicos em relação à polpa do fruto, indicando seu potencial a ser explorado como ingrediente funcional para redução do risco de incidência da doença de Alzheimer.

Tâmara

A tâmara (Phoenix dactylifera) é uma fruta oval, com polpa marrom escura quando madura e uma única semente em seu interior. Da família das palmeiras, a tamareira produz de 5 a 10 cachos por safra, sendo que cada cacho pode conter até 8 kg da fruta. Vestígios arqueológicos indicam que a tâmara já era consumida desde 5000 a.C. nas regiões do Irã, Egito e Paquistão, onde continua desempenhando um importante papel na alimentação. As tâmaras apresentam tocoferóis, compostos bioativos que apresentam atividade da vitamina E, protegem as células de danos nas membranas e contra os danos oxidativos provocados por radicais livres. As frutas maduras possuem mais de 80% da sua composição formada por açúcares. Devido a esse elevado teor de açúcar, muitas pessoas utilizam as tâmaras em receitas de bolo e doces como substituto do açúcar branco refinado. No Brasil, as tâmaras são conhecidas secas e são muito apreciadas nas festas natalinas.

Vagem

A vagem ou feijão-vagem (Phaseolus vulgaris L.) originou-se através do cruzamento entre variedades de feijão da América Central na Europa no século XIX. Assim como os feijões, constitui uma excelente fonte de fibras e proteínas. Uma porção de 100g de vagem in natura apresenta cerca de 92g de água, 5,3g de carboidratos, 2,4g de fibras, 1,8g de proteínas e apenas 0,2g de lipídeos. Além disso, observam-se consideráveis teores de vitaminas do complexo B (B1 e B2), A e C, além de minerais como: potássio, magnésio, cálcio e ferro.

REFÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BHATTI, I.A.; IQBAL, M.; ANWAR, F.; SHAHID, M. Quality characteristics and microbiological safety evaluation of oils extracted from gamma irradiated almond (Prunus dulcis Mill.) seeds. Grasas y aceites, v. 64, n. 1, p. 68-76, 2013.

GARCIA, C.C.A.; SANTOS, V.S.; ALMEIDA, M.E.F. Aceitação da farinha de Lichia e seu efeito no emagrecimento de crianças com excesso de peso. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento, v. 9, n. 52, P. 158-166, 2015.

GEPTS, P. The crop of the day: The Date, Phoenix dactylifera. 2002. Disponível em: <http://www.plantsciences.ucdavis.edu/GEPTS/pb143/CROP/DATE/date.htm>. Acesso em: 28 nov. 2016.

MALACRIDA, C.R. Caracterização de óleos extraídos de sementes de frutas: composição de ácidos graxos, tocoferóis e carotenoides. 105f. Tese (Doutorado em Engenharia e Ciência de Alimentos), Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, São José do Rio Preto, 2009.

MARTINS, M.; TENREIRO, R.; OLIVEIRA, M.M. Genetic relatedness of Portuguese almond cultivars assessed by RAPD and ISSR markers. Plant cell reports, v. 22, n. 1, p. 71-78, 2003.

MORZELLE, M.A. Resíduos de romã (Punica granatum) na prevenção da doença de Alzheimer. 2012. 74 f. Dissertação (Mestrado em Ciências). Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2012.

MOTTA, E.L. Avaliação da composição nutricional e atividade antioxidante de Litchi chinensis Sonn. (“Lichia”) cultivada no Brasil. 2009. 80p. Dissertação (Mestrado em Ciências Farmacêuticas). Faculdade de Farmácia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009.

MOURE, A.; PAZOS, M.; MEDINA, I.; DOMÍNGUEZ, H.; PARAJÓ, J.C. Antioxidant activity of extracts produced by solvent extraction of almond shells acid hydrolysates. Food Chemistry, v. 101, n. 1, p. 193-201, 2007.

NEVES, M.A.R.; MIGUEL, M.G.C. Características dos frutos de variedades de amendoeira do Algarve. Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade do Algarve, 2014. Documento em versão eletrônica. Disponível em: < http://www.in-loco.pt/upload_folder/files/CADERNO-AMENDOA28JAN15.pdf>.

OLIVEIRA, F.E.R. Qualidade de pêssegos ‘diamante’ (Prunus persica (L.) Batsch) submetidos ao 1-metilciclopropeno. 2005. 86 f. Dissertação (Mestrado em Agronomia), Departamento de Química, Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2005.

SANTOS, C.M.; ABREU, C.M.P.; FREIRE, J.M.; CORRÊA, A.D. Atividade antioxidante de frutos de quatro cultivares de pessegueiro. Revista Brasileira de Fruticultura, v. 35, n. 2, p.339-344, 2013.

SANTOS, T.M. Diversidade genética de Prunus persica por meio de marcadores microssatélites. 2010. 52 f. Dissertação (Mestrado em Ciências), Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2010.

SEGANTINI, D.M.; LIMA, S.L.G.P.P.; COSTA, S.M.; RAMOS, A.R.P. Caracterização da polpa de pêssegos produzidos em São Manuel-SP. Ciência Rural, v.42, n.1, p.52-57, 2012.

QUEIROZ, E.R. Frações de lichia: caracterização química e avaliação dos compostos bioativos. 2012. 122p. Dissertação (Mestrado em Agroquímica). Departamento de Química, Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2012.

RINALDI, M.M.; SANDRI, D.; RIBEIRO, M.O.; AMARAL, A.G. Características físico-químicas e nutricionais de pimentão produzido em campo e hidroponia. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v.28, n. 3, p.558-563, 2008.

TABELA BRASILEIRA DE COMPOSIÇÃO CENTESIMAL (TACO). 4ª Edição revisada e ampliada (2007). Documento em versão eletrônica. Disponível em: <http://www.unicamp.br/nepa/taco/contar/taco_4_edicao_ampliada_e_revisada.pdf?arquivo=taco_4_versao_ampliada_e_revisada.pdf>. Acesso em 26/11/2016.

TAN, S.Y.; MATTES, R.D. Appetitive, dietary and health effects of almonds consumed with meals or as snacks: a randomized, controlled trial. European Journal of Clinical Nutrition, v. 67, n. 11, p. 1205-1214, 2013.

 




O que você procura?





fechar

Obrigado!


Seu cadastro foi realizado com sucesso.



fechar
Loading