Alimentação em Foco Menu
Frutas, verduras e legumes de novembro

Compartilhar com Facebook Compartilhar com Twitter Compartilhar com Google+ Compartilhar com LinkedIn Compartilhar com Pinterest

Frutas, verduras e legumes de novembro


Abóbora

Popularmente conhecida como moranga, a abóbora da espécie Cucurbita maxima é um fruto de casca moderadamente dura e espessa cujo conteúdo interior é amplamente utilizado para sopas, purês, compotas e tortas. Esse conteúdo possui fibras que dão saciedade e elevada concentração de carotenoides que são potenciais antioxidantes e precursores da vitamina A. Suas sementes, mundialmente consumidas como snacks depois de salgadas e torradas, são ricas em óleo, proteínas e carboidratos. Em algumas regiões do país, as flores de abóbora são utilizadas para refogados, e a casca para enriquecer arroz, farofa e carne moída.

Acerola

A acerola (Malpighia emarginata D.C.) é uma fruta nativa das Ilhas do Caribe, América Central e Norte da América do Sul, que encontrou no Brasil, boas condições de clima para seu cultivo, com destaque para a região Nordeste. A acerola se destaca pela sua elevada concentração de vitamina C, além de apresentar outros antioxidantes como carotenoides, antocianinas e compostos fenólicos, em concentrações a depender da variedade. Uma porção de 100 gramas de acerola in natura fornece mais de 2000% da recomendação de ingestão diária (IDR) de vitamina C e 28% da IDR de vitamina A necessária para um adulto. Além disso, a fruta apresenta poucas calorias em função do baixo teor de gordura (0,46g em 100g de polpa).

Ameixa

A ameixa cultivada no Brasil é do tipo Japonesa (Prunus salicina), de menor exigência em frio e mais adaptada às condições dos invernos do Sul do nosso país. Já a ameixa do tipo Europeia (Prunus domestica), de maior exigência em frio para quebra da dormência, constitui a principal espécie de ameixeira cultivada no mundo e é a base tanto para a oferta de frutas para consumo in natura como também para a produção de ameixas desidratadas. Além do sabor agradável, as ameixas são fontes de nutrientes como o potássio, fibras e energia, visto que seus açúcares são de rápida absorção pelo organismo humano. Na sua casca são encontradas antocianinas, pigmento responsável pela cor lilás e que possui ação antioxidante. Outra vantagem do consumo de ameixas é seu baixo teor calórico, que lhe possibilita a utilização como complemento alimentar em dietas com restrição calórica.

Amora

A amora (Morus sp) é o fruto das amoreiras, espécie de origem asiática e pertencente à família das Moráceas. O fruto é rico em água, carboidratos, vitamina A e do complexo B e minerais, como o potássio e o cálcio. Este fruto pode ser consumido in natura ou em sucos, caldas, geleias, sorvetes, iogurtes, purês etc. A coloração da amora se relaciona diretamente com a concentração de compostos antioxidantes, que podem ser da classe dos ácidos fenólicos e dos flavonoides. Os compostos antioxidantes presentes na amora estão sendo associados à prevenção de doenças neurodegenerativas, inflamações e de alterações imunológicas. Algumas curiosidades sobre as amoras: as amoras negras (amoras silvestres) pertencem à família das Rosáceas (a mesma das rosas) e as amoras brancas são utilizadas como alimento pelo bicho da seda.

Avelã

A avelã (Corylus avellana L.) é um dos frutos secos mais populares e consumidos no mundo. Pertencente à família das Betuláceas é uma das espécies mais antigas do reino vegetal. A Turquia é o principal produtor de avelã no mundo, mas sua produção também é realizada em diversos países do sul da Europa (Itália, Espanha, França, Portugal e Grécia) e nos Estados Unidos da América. A maior parte da produção mundial de avelã, de maneira geral, é destinada ao uso na indústria agroalimentar, em que parte é destinada para a indústria de chocolates e na confecção de bolos, sorvetes e outras sobremesas, conferindo sabor, aroma e textura. De toda a produção, apenas 10% é destinada ao consumo como avelã de mesa, sendo a maior parte vendida com casca. Este fruto é altamente nutritivo, pois fornece lipídeos, proteínas, diversas vitaminas e minerais, além de possuir atividades antioxidantes, anti-inflamatória e antimicrobiana, contribuindo para diferentes benefícios para a saúde. Os compostos presentes em maior concentração são os lipídeos, em que sua maior parte são ácidos graxos monoinsaturados (MUFA), componentes associados a efeitos benéficos no sistema cardiovascular.

Coco verde

O coqueiro (Cocos nucifera L.) é uma palmeira tropical amplamente distribuída em toda a Ásia, África, América Latina e região do Pacífico. O fruto apresenta 300 a 400 mm de comprimento e 150 a 200 mm de diâmetro. O coco verde apresenta diversos nutrientes em sua composição, como proteínas, vitaminas e minerais, como sódio e magnésio, além de possuir aroma e sabor suaves. A água de coco é o principal produto consumido a partir do fruto in natura, apresentando proteínas, gorduras, carboidratos, vitaminas (A, B1, B2, B5 e C) e sais minerais, sendo o potássio encontrado em maior quantidade.

Graviola

A graviola (Annona muricata L.) é originária da América Tropical, pertencente à mesma família da pinha e da atemoia. O Brasil é o segundo maior produtor de graviola do mundo, com produção concentrada principalmente na região Nordeste. Sua polpa possui grande aceitação devido às suas características organolépticas (cor, sabor, odor e textura), destacando-se nutricionalmente por apresentar elevadas concentrações de cálcio (40mg em 100g de polpa crua). Deste modo, a fruta é utilizada para o preparo de sucos, sorvetes, compotas, geleias, cremes e iogurtes, além do consumo in natura.

Jaca

A jaqueira (Artocarpus heterophyllus) é uma árvore tropical cujo fruto é conhecido como jaca, tendo sua origem na Ásia e foi trazida ao Brasil pelos portugueses. Este fruto é arredondado e seu interior é composto por inúmeros gomos, cada um destes contendo um caroço envolto por uma polpa, de cor amarela, viscosa, aromática, de sabor doce e com consistência de mole à dura. Apresenta gosto e aroma intensos e peculiares, com atributos sensoriais dos tipos: frutal, azedo, floral e doce. Seu consumo ocorre na forma in natura ou em doces e conservas, sendo o Nordeste brasileiro um dos principais consumidores. A jaca possui em sua composição elevados teores de carboidratos, proteínas, fibras, vitaminas (A, B e C), além de minerais como o potássio, cálcio e ferro. Pesquisas apontam que este fruto proporciona efeitos benéficos ao organismo humano, podendo ser utilizado como medida de proteção a doenças como úlcera estomacal, doença cardiovascular e proteção da saúde da boca e pele. Além disso, a semente da jaca possui diversas aplicabilidades tecnológicas, podendo ser um substituto potencial do aroma de chocolate, e ainda constitui fonte de flavonoides e compostos fenólicos, apresentando boa capacidade antioxidante, prevenindo o estresse oxidativo.

Referências:

ALMEIDA, A.C.O.; LOIOLA, C.M.; ARAGÃO, W.M.; FREIRE, A.C. (2006) Caracterização Carpológica de Frutos de Cultivares de Coqueiro Anão Amarelo de Diferentes Locais de Sergipe. EMBRAPA. Comunicado Técnico, 60. Disponível em: <http://www.cpatc.embrapa.br/publicacoes_2006/cot-60.pdf>. Acesso em 20/10/2016

AMARAL, J. S.; OLIVEIRA, M. B. P. P. Avelã: composição química e efeitos benéficos associados ao seu consumo. Riscos e Alimentos n°11, p.17-20. Autoridade de Segurança Alimentar e Econômica, 2016.

AZEVEDO, C. M.; AMAYA, D. B. R. Qualitative and Quantitative Differences in Carotenoid Composition among Cucurbita moschata, Cucurbita maxima, and Cucurbita pepo. Journal of Agricultural and Food Chemistry, v. 10, p. 4027-4033, 2007.

BERNARDI, J.; HOFFMANN, A. Sistema de produção de ameixa europeia. EMBRAPA: ISSN 1678-8761, Versão Eletrônica, Dez./2005. Disponível em: < http://www.cnpuv.embrapa.br/publica/sprod/AmeixaEuropeia/ >. Acesso em 19/10/2016

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretária Pública de Políticas de Saúde. Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição. Alimentos regionais brasileiros. Brasília: Ministério da Saúde, 2002. 141p.

CARVALHO, J. M.; MAIA, G.A.; SOUSA, P.H.M.; MAIA JR, G.A. Água-de-coco: Propriedades nutricionais, funcionais e processamento. Semina: Ciências Agrárias, v. 27, n. 3, p.437-452, 2006.

CASTRO, L. A. S.; CARVALHO, E. V. Ameixeira: um bom investimento. Informativo SBF, Cruz das Almas, v.6, n.2, p. 80, 1987.

EMBRAPA. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Ameixa. Disponível em: <http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/gestor/ameixa/arvore/CONT000gix2jq9202wx5ok05vadr1w3ehiif.html>. Acesso em: 25/10/2016.

FAOSTAT. Disponível em: <http://faostat.fao.org/site/567/DesktopDefault.aspx? PageID=567#ancor>. Acesso em: 24/05/2016.

FREITAS, C.A.S.; M, G.A.; C, J.M.C.; F, R.W.; SOUSA, P.H.M. Acerola: produção, composição, aspectos nutricionais e produtos. Revista brasileira de agrociência, v. 12, n.4, p.395-400, 2006.

GOSSEL-WILLIAMS, M.; HYDE, T.; HUNTER, D.; SIMMS-STEWART, H.; FLETCHER, D.; MCGROUDER, C.; WALTERS, A. Improvement in HDL cholesterol in postmenopausal women supplemented with pumpkin seed oil: pilot study. Climacteric, v. 14, p. 558-564, 2011.

HIRSCH, G.E.E.; FACCO, M.P.; RODRIGUES, D.B.; VIZZOTTO, M.; EMANUELLI, T. Caracterização físico-química de variedades de amora-preta da região sul do Brasil. Ciência Rural, v.42, n.5, p.942-947, 2012.

KELMER, G. A. R. Caracterização química elementar e proteica da polpa de graviola. 2012. Dissertação (Mestrado em Química) – Instituto de Química, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012. Disponível em: <http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/46/46136/tde-03092012-134612/pt-br.php>. Acesso em: 27/10/2016.

PADILHA, M.M.; MOREIRA, L.Q.; MORAIS, F.F.; ARAÚJO, T., H.; ALVEZ-DA-SILVA, G. Estudo Farmacobotânico das Folhas de 50 Amoreira-Preta, Morus nigra L., Moraceae. Revista Brasileira de Farmacognosia, v 20, n 4, p.621-626, 2010.

POLING, E.B. Blackberries. Journal of Small Fruit and Viticulture, v.14, n.1-2, p.38-69. 1996.

SANTANA, I. A. Avaliação química e funcional de polpa de coco verde e aplicação em gelado comestível. 2012. 107 f. Dissertação (Mestrado) – Curso de Engenharia de Processos Químicos e Bioquímicos, Escola de Engenharia Mauá, São Caetano do Sul, 2012. Disponível em: <http://maua.br/files/dissertacoes/avaliacao-quimica-e-funcional-de-polpa-de-coco-verde-e-aplicacao-em-gelado-comestivel.pdf>. Acesso em 28/10/2016

SOARES, G. L. Aproveitamento da polpa de coco verde submetida ao congelamento rápido e lento. 2014. 54 f. Dissertação (Mestrado) – Curso de Ciências Agronômicas, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Botucatu, 2014.

TABELA BRASILEIRA DE COMPOSIÇÃO CENTESIMAL (TACO). 4ª Edição revisada e ampliada (2007). Documento em versão eletrônica. Disponível em: <http://www.unicamp.br/nepa/taco/contar/taco_4_edicao_ampliada_e_revisada.pdf?arquivo=taco_4_versao_ampliada_e_revisada.pdf>. Acesso em 24/10/2016.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO. Escola Paulista de Medicina. Departamento de Informática em Saúde. Tabela de composição Química dos Alimentos (TABNUT). Disponível em: <http://www.dis.epm.br/servicos/nutri/public/index.php/alimento/09279/ameixa-crua>. Acesso em: 24/10/2016.

VALENTINI, N., ROLLE, L., STÉVIGNY, C., ZEPPA, G. (2006). Mechanical behaviour of hazelnuts used for table consumption under compression loading. Journal of the Science of Food and Agriculture, v 86, n 8, p. 1257−1262.

VICENTINI, M S. Biscoitos amanteigados isentos de açúcar de adição elaborados parcialmente com polpa e semente de jaca. 2015. 93 f. Dissertação (Mestrado em Ciência e Tecnologia de Alimentos), Universidade de São Paulo, Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Piracicaba, 2015.




O que você procura?





fechar

Obrigado!


Seu cadastro foi realizado com sucesso.



fechar
Loading