Alimentação em Foco Menu
Legumes, Verduras e Frutas de Junho

Compartilhar com Facebook Compartilhar com Twitter Compartilhar com Google+ Compartilhar com LinkedIn Compartilhar com Pinterest

Legumes, Verduras e Frutas de Junho


Abóbora seca

A abóbora (Cucurbita sp) é uma cucurbitácea de origem do continente americano. Uma das variedades mais consumidas no Brasil é a abóbora seca ou abóbora de pescoço, que possui casca verde escura com rajados alaranjados. Rica em carotenoides, vitaminas, fibras e minerais essa variedade de abóbora pode ser utilizada em preparações, como: pães, saladas e para produção do famoso doce de abóbora. As sementes também podem ser consumidas. A indústria de alimentos vem se interessando para utilizar os resíduos da abóbora como fonte natural de carotenoides, poderosos antioxidantes e precursores da vitamina A.

 

Amendoim

O amendoim (Arachis hypogaea L.) é uma planta originária da América do Sul, que é amplamente consumida em todo o mundo, movimentando um mercado anual de cerca de US$18,5 bilhões. Além de ser apreciado sensorialmente, o amendoim pode conferir uma série de benefícios a saúde devido a sua composição química, a qual é fonte de vitaminas, minerais e ácidos graxos insaturados como o ômega 3 e o ômega 6. A principal forma de consumo é por meio dos grãos torrados ou cozidos, mas há ainda muitos produtos obtidos a partir desta matéria-prima, como confeitos, snacks e doces. No processamento industrial os grãos também podem ser utilizados para a obtenção de óleo e farelo, que podem ter uso para a indústria de alimentos, no ramo de conservas e na indústria farmacêutica.

 

Canjica

A canjica é um produto obtido nas indústrias de processamento de milho, que através da moagem a seco do milho, origina-se a canjica. Este produto é diferente do milho por ser elaborado apenas com o endosperma do grão de milho. Este produto faz parte de uma iguaria da culinária brasileira, sendo mais consumido nos períodos de festas juninas e julinas. Porém, o termo canjica identifica dois pratos distintos: o creme ou mingau de milho que no Nordeste é conhecido por canjica e em São Paulo, região Centro-Oeste e Sul do Brasil é conhecido como curau, o outro é quando o mesmo é cozido no leite de coco ou leite de vaca, conhecido como Mungunzá no Nordeste e Canjica no Sudeste, Centro-Oeste e Sul do Brasil.

 

Ervilha

A ervilha (Pisum sativum) é uma leguminosa presente na alimentação de diferentes partes do mundo. A princípio era consumida na forma de grãos secos, moídos ou inteiros, ou na forma de grãos verdes. Com o desenvolvimento da indústria alimentícia foram colocadas em prática maneiras alternativas de conservação da ervilha e atualmente é comercializada enlatada, congelada, na forma de farinhas, secas ou frescas. Além de serem fontes muito ricas em proteínas, as fibras de sua casca contribuem para o bom funcionamento gastrointestinal. Pode ser facilmente inserida na alimentação in natura e em preparos de cremes, purês e sopas, ou como ingrediente adicional de diversos pratos.

 

Kinkan

Kinkan (Fortunella japonica) é uma variedade de provável origem na China. “Kumquat” ou “chin kan” em chinês, e kinkan, em japonês, significam “laranja de ouro”. No Brasil, as principais regiões produtoras ficam no estado de São Paulo. São frutos geralmente pequenos que possuem casca doce e comestível, já a polpa apresenta sabor cítrico-azedo. Assim como as outras frutas cítricas, a Kinkan também é rica em vitamina C, um excelente antioxidante que apresenta inúmeros benefícios para a saúde. Na indústria de alimentos, essa matéria-prima é utilizada para a fabricação de geléias, sucos e compotas.

 

Laranja Bahia

A Laranja Bahia (Citrus sinensis L. Osbeck) é uma variedade originária de uma mutação natural acontecida entre as citrícolas plantadas no Estado da Bahia no Brasil. Possui como característica polpa de cor laranja intenso, baixo teor de acidez, sabor adocicado e não possui sementes, além de ser muito fácil de descascar. Segundo dados da FAO, haverá o aumento da produção de laranjas até 2023/24, podendo atingir um total de 17.5 Mt, cerca de 7% acima do nível de 2013/14. O Brasil é o maior exportador mundial de frutas cítricas processadas, em especial suco concentrado de laranja congelado (FCOJ).

 

Mangostão

O mangostão (Garcinia mangostana L.) é originário da Ásia e cultivado na região amazônica do Brasil. Apresenta elevado teores de antocianinas, compostos biológicos que possuem atividade antioxidante, atuando na prevenção de doenças crônicas e degenerativas. Além disso, sua casca é objetivo de estudos científicos, pois apresenta substâncias fenólicas que conferem propriedades medicinais, como atividade anti-inflamatória, antitumoral e antibacteriana. Após o beneficiamento, é possível produzir farinha da casca do mangostão, subproduto da fruta com elevado teor nutricional.

 

Morango

O morango (Fragaria spp.) é um fruto de origem europeia. Os principais Estados brasileiros produtores são Minas Gerais, Rio Grande do Sul, São Paulo, Espírito Santo, Paraná, Santa Catarina e Distrito Federal. É rico em diversas vitaminas, tais como a Vitamina C, A e E, além de apresentar 2,5 g de fibras alimentares em uma porção 100 g de morangos. O morango é uma fruta com elevada perecibilidade, por esse fato recomenda-se resfriá-la logo após a colheita, e manter a cadeia de frio até a comercialização.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE CHOCOLATES, CACAU, AMENDOIM, BALAS E DERIVADOS (ABICAB). Amendoim. Disponível em: < http://www.abicab.org.br/associados-3/>. Acesso em: 28 mai. 2017.

CANNIATTI-BRAZACA, S. G. Valor nutricional de produtos de ervilha em comparação com a ervilha fresca. Ciênc Tecnol Aliment. 2006; 26(4): 766-71.

DAHL, W. J., FOSTER, L. M., TYLER, R. T. Review of the health benefits of peas (Pisum sativum L.). Brit. J. Nutrit. 2012; 108(S1): S3–S10

DALLA COSTA, A. P.; ROSSATTO, E. R. P.; RIOS, A. O.; FLÔRES, S. H. Subprodutos de abóbora como fonte de carotenoides e antioxidantes. In: Congresso Brasileiro de Engenharia Química (COBEQ). Florianópolis: COBEQ, 2014.

DINIZ, Lucilia. Kinkan: a pequena invocada. 2017. Disponível em: <http://luciliadiniz.com/kinkan-pequena-invocada/>. Acesso em: 25 maio 2017

FUKUJIL, T. S.; FERREIRA, D. L.; SOARES, A. L.; PRETE, E. C.; IDA, E. I. Ácido fítico de híbridos de milho e alguns produtos industrializados. Acta Sci. Agron. Maringá, v. 30, n. 1, p. 31-35, 2008

FRUTIFERAS, Mudas de. Laranja Bahia. Disponível em: <http://mudasdefrutiferas.com.br/index.php?route=product/product&product_id=62>. Acesso em: 25 maio 2017.

GEBERT, J.; MATTEI, M. W. Produção de doce de abóbora de pescoço e maracujá: análise físico-química, microbiológica e avaliação sensorial. 39p. 2014. Monografia (Graduação em Tecnologia de Alimentos). Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Medianeira, 2014.

HENZ G. P. 2010. Desafios enfrentados por agricultores familiares na produção de morango no Distrito Federal. Horticultura Brasileira 28: 260-265.

OCDE-FAO. Perspectivas Agrícolas no Brasil: desafios da agricultura brasileira 2015-2024. 2015. Disponível em: <http://www.fao.org.br/download/PA20142015CB.pdf>. Acesso em: 26 maio 2017.

SEBRAE. Mercado de fruticultura. 2015. Disponível em: <http://www.bibliotecas.sebrae.com.br/chronus/ARQUIVOS_CHRONUS/bds/bds.nsf/64ab878c176e5103877bfd3f92a2a68f/$File/5791.pdf>. Acesso em: 25 maio 2017.

SILVA, A. K. N; ABE, S. T. H.; SANTOS, O. V. Processamento da farinha da casca do mangostão (Garcinia mangostana L.) com vistas aos aspectos nutricionais e de antocianina. Revista Brasileira de Tecnologia Agroindustrial, Paraná, v. 7, n. 2, p.1074-2013. 2013.

SUASSUNA, T. M. F. Sistema de Produção de Amendoim. Embrapa Amendoim, Sistema de Produção, 7. ISSN 1678-8710. 2014.

TABELA BRASILEIRA DE COMPOSIÇÃO CENTESIMAL – TACO/Unicamp. Publicação Eletrônica. Disponível em: http://www.unicamp.br/nepa/ taco/contar/taco_versao2.pdf. Acesso em 20/04/2017.

YANG, D.; XIE, H.; JIA, X.; WEI, X. Flavonoid C-glycosides from star fruit and their antioxidant activity. Journal of Functional Foods, v 16, pp. 204-210, 2014.

ZAMBIAZI, R. C; CHIM, H. F; BRUSCATTO, M. Avaliação das características e estabilidade de geléias light de morango. Alim. Nutr., Araraquara, v. 17, n.2, p.165,170., abr./jun.2006.




O que você procura?





fechar

Obrigado!


Seu cadastro foi realizado com sucesso.



fechar
Loading