Alimentação em Foco Menu
Frutas, verduras e legumes do mês de maio

Compartilhar com Facebook Compartilhar com Twitter Compartilhar com Google+ Compartilhar com LinkedIn Compartilhar com Pinterest

Frutas, verduras e legumes do mês de maio


Alho importado

O alho (Allium sativum) é um vegetal da família das liliáceas (a mesma da cebola e da cebolinha). Há controvérsias sobre sua origem, porém a maioria dos estudos indica que a Ásia é o local de origem. A Argentina e a China são os principais países exportadores de alho fresco para o Brasil. É um alimento que possui vários nutrientes, o que mais se destaca na composição nutricional do alho, são os altos teores de potássio e fósforo. O alho pode ser consumido in natura ou na forma de temperos e outros produtos industrializados.

Inhame

O inhame (Colocasia esculenta) é rico em amido e apresenta pequenas quantidades de proteínas e lipídeos, além das vitaminas A, B1, B2, B6, C e alguns minerais. Pode ser consumido cozido e em sopas. Na indústria, obtém-se a farinha de inhame, que pode ser adicionada na massa de pães, com o intuito de aumentar seu rendimento.

Mandioca

A mandioca (Manihot esculenta Crantz.) é uma raiz originária da região centro-oeste do Brasil. Em determinadas regiões é conhecida como macaxeira ou aipim. Caracteriza-se por ser um alimento de alto valor energético, com 30% de carboidratos e 1,6% de fibras em sua composição, aproximadamente. Pode ser consumida sob a forma cozida, frita, assada ou integrando outras preparações culinárias tipicamente brasileiras, como o beiju, a tapioca e o tucupi. Atualmente, vem crescendo a comercialização de mandioca pré-cozida e congelada e na forma de snack.

Moyashi

O Moyashi é uma leguminosa oriental muito popular, podendo ser consumido na forma cozida ou como broto de feijão, sendo este último semelhante a “macarrão”, forma mais consumida no Brasil. Para isso, é preciso que o feijão passe pelo processo de hidratação com água, que após um longo período, irá ativar o fenômeno de germinação e deixando-o pronto para o consumo. O moyashi é composto por um alto teor proteico (20-33%).

Nabo

O nabo (Brassica rapa L.) pertence à família das Brássicas, é muito conhecido por suas propriedades nutricionais e seus benefícios à saúde. O nabo é um alimento leve, de baixo conteúdo calórico e fácil digestão. A raíz do nabo pode ser consumida crua, em saladas, ou cozida, em sopas e purês. As folhas são ricas em vitaminas e minerais, e também são comestíveis.

Pinhão

O pinhão é o nome popular atribuído às sementes da Araucária ou Pinheiro do Paraná, árvore típica da região Sul do Brasil, mas também presentes em regiões frias da região Sudeste. Pode ser consumido assado ou cozido e também compor preparações, como: farofas, ensopados, doces e salgados. Esta semente é rica em carboidratos, fibras, proteínas, lipídeos, vitamina C e minerais, como ferro, potássio e magnésio.

Tangerina Ponkan

A Tangerina Ponkan (Citrus reticulata Blanco) é uma fruta cítrica de origem Asiática pertencente à família das Rutáceas, que possui grande adaptabilidade a condições de cultivo. Os frutos são de tamanho médio, de coloração alaranjada intensa. Conhecida como tangerina, bergamota ou mexerica, a fruta possui sabor predominantemente adocicado e cerca de 43% de seu peso é suco. A Ponkan é rica em vitamina C e pode dar origem a produtos como sucos, pectina ou destinada a ração animal. Alguns estudos ainda reportam seu óleo essencial como potente anti-fúngico.

Uva importada

A uva (Vitis vinifera) é uma fruta muito presente na mesa do brasileiro, seja na sua forma in natura, ou através de produtos industrializados como sucos, vinhos e geleias. Por ser rica em antioxidantes, inclusive na casca e sementes, o consumo da fruta e derivados é associado a redução dos riscos de diversas enfermidades, como câncer, doenças cardiovasculares e diabetes. Apesar de o Brasil ser um grande produtor de uva, eventuais quedas na oferta podem ocorrer devido às questões climáticas, passando a importar a fruta em algumas épocas do ano, como deve acontecer em maio, com um recebimento da fruta chilena e peruana.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ALMEIDA, A.; SUYENAGA, E. S. Ação farmacológica do alho (Allium sativum L.) e da cebola (Allium cepa L.) sobre o sistema cardiovascular: revisão. Revista Nutrire SBAN, v. 34, n. 1, p. 185-197, abr. 2009. CARDOSO, Eloisa Maria Ramos et al. Processamento e Comercialização de Produtos Derivados de Mandioca no Nordeste Paraense. Belém: Embrapa Amazônia Oriental, 2001. 29 p.

COFFMANN, C. W., GARCIA, V. V. Functional properties and amino acid content of a protein. Journal Food Technology, v.12, p. 473-484, 1997. CHUTIA, M.; DEKA BHUYAN, P.; PATHAK, M.G.; SARMA, T.C.; BORUAH, P. Antifungal activity and chemical composition of Citrus reticulata Blanco essential oil against phytopathogens from North East India. LWT – Food Science and Technology, v. 42, n. 3, p.777–780, 2009.

DURANGO, A.M; SOARES, N. D. F. F; ANDRADE, N. J. Extração e caracterização do amido de inhame e desenvolvimento de filme comestíveis antimicrobianos. Revista Temas Agrários, volume 14. Disponível em <http://revistas.unicordoba.edu.co/revistas/index.php/temasagrarios/article/view/672/788>. Acesso em: 23 abr. 2017.

EMBRAPA HORTALIÇAS. Nabo. Hortaliças na Web. Disponível em: <http://www.cnph.embrapa.br/hortalicasnaweb/nabo.html>. Acesso em: 22 abr. 2017.

KATARIA, A., CHAUHAN, B.M. Contents and digestibility of carbohydrates of mung beans (Vigna radiata L.) as affected by domestic processing and cooking. Plant Foods for Human Nutrition, v. 38, p. 51-59, 1998.

KRIESER, K. et al. Desenvolvimento de filmes comestíveis à base de amido de pinhão (semente da Araucaria angustifolia). In: V FINOVA – Feira de Inovação Tecnológica, 2015, Porto Alegre. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2015. Resumo.

LEONÊZ, Ana Cláudia. Alho: alimento e saúde. 2008. 41 f. Monografia (Especialização) – Curso de Gastronomia e Saúde, Universidade de Brasília, Brasília, 2008.

OLIVEIRA, R.F. et al. Inibição da lipase pancreática e da absorção intestinal de triacilglicerídeos pelo extrato de casca de pinhão (Araucaria angustifolia). In: V SIMPÓSIO DE BIOQUÍMICA E BIOTECNOLOGIA – V SIMBBTEC, v. 1, n. 2, p. 359, 2015, Londrina. Londrina: Universidade Estadual de Londrina, 2015. Resumo. OLIVEIRA, F.L.; RIBEIRO, R.L.D.; SILVA, V.V.; GUERRA, J.G.M.; ALMEIDA, D.L. Desempenho do inhame (taro) em plantio direto e no consórcio com crotalária, sob manejo orgânico. Horticultura Brasileira, Brasília, v.22, n.3, p.638-641, jul-set 2004.

PEÑAS, E., GÓMEZ, R., FRIAS, J., VALVERDE-VIDAL, C. Effects of combined treatments of high pressure, temperature and antimicrobial products on germination of mung bean seeds and microbial quality of sprouts. Food Control, v.21, p. 82-88, 2010.

RASERA, G.B.; CAMARGO, A.C.; VIEIRA, T.M.F.S. Otimização da extração de compostos bioativos de subprodutos de uvas das indústrias de suco e vinho. In: 22º Simpósio Internacional de Iniciação Científica da USP – 22º SIICUSP, Piracicaba – SP. Universidade de São Paulo, 2016. Resumo. Disponível em: https://uspdigital.usp.br/siicusp/cdOnlineTrabalhoVisualizarResumo?numeroInscricaoTrabalho=2220&numeroEdicao=22. Acesso em: 24/04/2017. Revista Hortifruti Brasil: http://www.hfbrasil.org.br/br. Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada – CEPEA. Universidade de São Paulo – USP. REZENDE, S.C. Valorização da casca do pinhão, um subproduto da semente de Araucaria angustifolia, para produção de materiais poliméricos. 2016. 92p. Dissertação (Mestrado em Qualidade e Segurança Alimentar) – Escola Superior Agrária, Instituto Politécnico de Bragança, Bragança, 2016.

ROCHA, Idalina Lopes; GUTIERREZ, Anita de Souza Dias. Importação de alho pelo Brasil. 2014. Disponível em: <http://www.hortibrasil.org.br/2016-06-03-10-49-48/1166-importacao-de-alho-pelo-brasil.html>. Acesso em: 24 abr. 2017. SAKA, B. et al. Chemical variability and biological activities of Brassica rapa var. rapifera parts essential oils depending on geographic variation and extraction technique. Chemistry & Biodiversity, 2017.

TABELA BRASILEIRA DE COMPOSIÇÃO CENTESIMAL – TACO/Unicamp. Publicação Eletrônica. Disponível em: http://www.unicamp.br/nepa/ taco/contar/taco_versao2.pdf. Acesso em 20/04/2017.




O que você procura?





fechar

Obrigado!


Seu cadastro foi realizado com sucesso.



fechar
Loading