Alimentação em Foco Menu
Frutas, verduras e legumes do mês de Outubro

Compartilhar com Facebook Compartilhar com Twitter Compartilhar com Google+ Compartilhar com LinkedIn Compartilhar com Pinterest

Frutas, verduras e legumes do mês de Outubro


Alimentos dessa safra proporcionam diversos benefícios para os seres humanos a um custo acessível

Consumir os alimentos disponíveis na temporada é um modo eficiente de conciliar hábitos saudáveis, seguros, sustentáveis e acessíveis. E ainda uma oportunidade de preparar, experimentar e se deliciar com pratos elaborados a partir de frutas da estação, verduras e legumes que fazem parte da cultura local.

Acerola

Acerola Acerola - Vitamina C
Repleta de propriedades benéficas à saúde humana, a acerola é uma fruta pequena, porém surpreendente.
Madura, ela possui cerca de 36 vezes mais ácido ascórbico – constituinte da vitamina C – do que a laranja, principal referência nesse quesito, e, ainda, vitaminas A, B1, B2 e B3, e minerais, como cálcio, fósforo e ferro. A fruta tem ação antioxidante sobre os radicais livres, que ocasionam o envelhecimento precoce, e imunoestimulante, contribuindo para o fortalecimento do sistema de defesa do corpo.

O fruto da aceroleira pode ser encontrado em mais de 40 variedades, de norte a sul do país,
com destaque para Bahia, Ceará, Paraíba e Pernambuco.

Caju

Caju

O caju, proveniente do cajueiro, oferece diversas opções de consumo e uma série de benefícios para o corpo humano.
A parte que mais se aproveita é o chamado pedúnculo, carnoso e de cor alaranjada, que deve estar maduro e ser ingerido em poucos dias. Ele pode ser consumido in natura ou no formato de sucos, doces cristalizados, compotas e geleias, ou, ainda, em versões salgadas, especialmente no Nordeste do país, como o purê e a moqueca. Essa parte é rica em vitamina C, cálcio, fósforo e ferro, e possui ação diurética e anti-inflamatória.
A castanha, que é, na verdade, o fruto do caju, contém proteínas, lipídio, gordura insaturada e fibras, é comumente consumida torrada.

Figo

Figo

A figueira é uma planta tradicionalmente cultivada no Sul e Sudeste do Brasil, que dá origem ao figo, um fruto carnoso, de casca fina, macio e de cor que varia entre o branco e o roxo.
Os figos ainda verdes são ideais para o preparo de compotas, geleias e doces cristalizados e secos, que servem como opção de snack entre as refeições.
Já as frutas frescas e maduras podem ser consumidas in natura, porém são extremamente perecíveis. Elas combinam com saladas e risotos, ou recheados com ricota, nozes e cremes.
Quanto à nutrição, o figo possui vitaminas e minerais de propriedades diuréticas, fibras solúveis e insolúveis, que auxiliam o funcionamento do intestino e normalizam o colesterol e a glicose no sangue. Além disso, essa fruta tem ação antioxidante, que previne contra doenças cardiovasculares e alguns tipos de câncer.

Jabuticaba

Jabuticaba

100% brasileira, a jabuticaba é encontrada desde o Pará até o Rio Grande do Sul e desperta a curiosidade, já que a fruta toma conta de todo o tronco e galhos da jabuticabeira.
Ela é repleta de vitaminas, fibras e sais minerais, porém, sua principal contribuição para os seres humanos está relacionada à alta presença de antocianinas, uma substância que protege
o coração. Presente na parte roxa da fruta, ou seja, a sua casca, para ser aproveitada, ela pode ser consumida em sucos e geleias.
A parte branca da jabuticaba, que é a que mais se consome fresca, também tem seu valor.
Nela, existe ferro, fósforo, vitamina C e vitaminas do complexo B, que facilitam a digestão e ajudam a eliminar toxinas. Na polpa também há pectina, uma fibra que reduz os níveis de colesterol do sangue.

Rúcula

Rúcula

A rúcula tem um sabor típico: é forte, picante e amarga. É utilizada em todo o país para o preparo de saladas, refogados ou como complemento de refeições – como pizzas, sanduíches e risotos – pois seu sabor é capaz de predominar sobre outros alimentos.
O destaque nutricional é para potássio, mineral que aumenta a elasticidade das artérias e, consequentemente, contribui para a saúde do coração. Além disso, possui muitas fibras, que facilitam a digestão e o funcionamento do intestino e dão a sensação de saciedade, sendo uma aliada na perda de peso.
Suas folhas são ricas em vitaminas A e C, cálcio e ômega 3, essenciais para visão, pele, cabelos, unhas, para o sistema imunológico e, ainda, para prevenir o câncer de cólon. Ela também é fonte de ferro, ideal para ser consumida por anêmicos.

Alcachofra

Alcachofra
De aparência rígida e cheia de pétalas, a alcachofra é um vegetal com propriedades benéficas aos seres humanos.
Ela possui altas quantidades de vitamina C, e sais minerais como ácido fólico, magnésio e potássio, que têm ação hepatoprotetora, pois facilita a transferência de bile secretada, reduzindo azias e queimações.
A alcachofra jamais deve ser consumida in natura, pois suas folhas fibrosas e afiadas podem prejudicar o sistema digestivo. Ao invés disso, ela deve ser ingerida cozida, inclusive o talo e o coração, parte central e nobre do vegetal. Ela pode servir como complemento de massas, risotos ou ser consumida recheada, por exemplo.

Inhame

InhameO inhame é um tubérculo comum nas regiões Sudeste e Nordeste do Brasil. Ele é uma ótima
fonte de carboidratos e de diversos nutrientes essenciais para a saúde.
Como possui altas quantidades de fibras e um baixo teor de gorduras, o inhame é muito
apreciado para a perda de peso e para a redução de diabetes. Ele também apresenta vitaminas
B1, B3, B5, B6,B9 e C, que fortalecem o sistema imunológico. Rico em potássio, permite regular
a pressão arterial.

O consumo de inhame cru deve ser evitado. Ao invés disso, ele pode ser cozido ou feito no
vapor, substituindo uma boa quantidade de receitas que têm a batata como base, como purê,
nhoque e pão de queijo.

Berinjela

A berinjela, botanicamente classificada como Solanum melongena L., é originária da Índia e foi introduzida no Brasil no século XVI pelos portugueses. Os árabes, os orientais (principalmente os japoneses) e seus descendentes são os maiores consumidores desta hortaliça. O consumo da berinjela crua não é indicado, uma vez que ela apresenta solanina em sua composição, uma substância causadora de graves distúrbios intestinais. Deste modo, ela deve ser submetida a algum método de cocção. Sua utilização em diversas receitas incluem sucos, farinhas, saladas e massas. A berinjela apresenta ação antioxidante e anti-inflamatória em função da sua composição fenólica, destacando-se as antocianinas, responsáveis pelo pigmento roxo da berinjela. Estes compostos inibem a produção de radicais livres, protegendo moléculas de DNA e contribuindo para a redução do desenvolvimento de câncer.

Depois de saborear as frutas da estação, em pouco tempo você estará com novos hábitos saudáveis e preparando pratos alternativos e mais coloridos!




O que você procura?





fechar

Obrigado!


Seu cadastro foi realizado com sucesso.



fechar
Loading