Alimentação em Foco Menu
Grãos, sementes e cereais: qual a diferença?

Compartilhar com Facebook Compartilhar com Twitter Compartilhar com Google+ Compartilhar com LinkedIn Compartilhar com Pinterest
10/11/2021
Notícias

Grãos, sementes e cereais: qual a diferença?


Conheça as características e propriedades de cada grupo

O arroz é um grão ou um cereal? E a linhaça, é uma semente? Se você tem dúvidas ao classificar esses tipos de alimentos, acompanhe nossa matéria.

Apesar de serem muito parecidos, grãos, sementes e cereais têm características distintas e merecem atenção especial na nossa dieta.

Vamos explicar a diferença entre eles:

Grãos

Os grãos são o resultado da colheita, servem para o consumo humano ou animal e podem ser usados como matéria-prima de diversos produtos na indústria.

Os grãos são ricos em carboidratos, minerais e proteínas vegetais e são constantemente utilizados como substituto da proteína animal na dieta vegetariana.

Base de uma dieta equilibrada e nutritiva, os grãos estão presentes nas refeições não apenas dos brasileiros, mas de diversas culturas ao redor do mundo.

Os grãos mais comuns são:

  • Feijão;
  • Soja;
  • Ervilha;
  • Grão-de-bico;
  • Lentilha.

Os grãos proporcionam a sensação de saciedade, reduzem a absorção de gorduras e glicose, e tem funções analgésicas, anti oxidantes e cardioprotetoras.

Super grãos

Existe um grupo de grãos, chamados super grãos ou grãos ancestrais que são considerados alimentos completos, devido a quantidade e qualidade de seus nutrientes.

Alguns exemplos de super grãos são amaranto, chia, quinoa, linhaça e painço.

Os super grãos são cultivados da mesma maneira há milhares de anos e mantêm suas propriedades nutritivas ao longo do tempo. Eles são ricos em proteínas, vitaminas, fibras e antioxidantes.

Você sabia?

A quinoa foi, por muitos anos, a base da alimentação dos povos Incas, que viveram na Cordilheira dos Andes – entre Peru, Chile, Equador e Bolívia – aproximadamente de 3.000 a.C. a 1.500 d.C. Sendo considerada um grão sagrado e utilizada não apenas como alimento, mas também para a cura de resfriados, problemas gastrointestinais e até picadas de insetos.

Como consumir?

A forma tradicional de uso dos grãos é cozida com caldo, mas também podem ser consumidos na sopa, nas saladas ou como apanhamento de inúmeras receitas.

Sementes

A semente é um organismo vivo, um óvulo maduro que pode ser germinado se estiver em condições ideais, gerando, assim, uma nova planta.

As sementes são ricas em fibras, vitaminas do complexo B, ômega 3, 6 e 9.

Alguns exemplos de sementes são:

  • Abóbora;
  • Chia;
  • Gergelim;
  • Girassol;
  • Linhaça.

As sementes auxiliam na redução do colesterol, possuem ação anti-inflamatória, previne Alzheimer e contribuem para o bom funcionamento do sistema imunológico.

Como consumir?

Por não alterar muito o sabor dos alimentos, as sementes podem ser consumidas de diversas maneiras:

  • In natura;
  • Trituradas para serem adicionadas a massas ou molhos;
  • Misturadas no iogurte, sucos ou vitaminas;
  • Acrescidas em saladas;
  • Salpicadas nas frutas.

Atenção

Se consumidas em excesso, as sementes podem ser prejudiciais para a saúde, trazendo desconforto abdominal e irritação da parede intestinal, contribuindo para o ganho de peso.

A quantidade ideal para o consumo de sementes é de uma a duas colheres de sopa por dia.

Cereais

Os cereais pertencem a um tipo específico de planta, as gramíneas. Desta forma, quando nos referimos ao cereal, estamos falando da planta como um todo.

Alguns exemplos de cereais são:

  • Arroz;
  • Aveia;
  • Trigo;
  • Milho;
  • Cevada;
  • Centeio.

Apesar dos cereais serem ricos em vitaminas e minerais, o carboidrato é, de longe, o principal nutriente deste alimento, proporcionando energia para nosso organismo.

Não por acaso, as dietas restritivas em carboidratos, as chamadas low carbs podem proporcionar sensação de fraqueza e cansaço, devendo sempre ser acompanhadas por um profissional de nutrição.

Como consumir?

Os cereais podem ser consumidos na forma de grãos cozidos ou em outras versões como farinhas, farelos e flocos. Essas divisões não se referem aos alimentos e sim a maneira como a matéria-prima foi preparada.

Farelo é a casca retirada da semente do alimento. Após esse processo, continuando a moagem das sementes, temos a farinha.

No caso das farinhas integrais, não são retiradas as cascas e as sementes são moídas integralmente.

Já o floco é o resultado da prensagem da semente, que pode ser também com casca, gerando, assim, o floco integral.

Fontes:

https://www.conquistesuavida.com.br/noticia/qual-e-a-diferenca-entre-graos-sementes-e-cereais-entenda-cada-alimento_a5994/1

https://www.myfarm.com.br/graos-sementes-cereais/

https://super.abril.com.br/mundo-estranho/qual-a-diferenca-entre-cereal-e-grao/

https://www.jolivi.com.br/os-poderes-e-segredos-da-quinoa/

http://g1.globo.com/bomdiabrasil/0,,MUL739935-16020,00-GRAO+SAGRADO.html

http://gshow.globo.com/programas/mais-voce/por-tras-das-cameras/noticia/2014/04/alerta-nutricionista-ensina-como-comer-sementes-sem-prejudicar-a-saude.html

https://www.conquistesuavida.com.br/noticia/sementes-na-alimentacao-veja-quais-sao-as-mais-nutritivas-para-a-saude_a5769/1




O que você procura?





fechar

Obrigado!


Seu cadastro foi realizado com sucesso.



fechar
Loading