Alimentação em Foco Menu
Guabiroba: conheça o cultivo, benefícios e formas de uso

Compartilhar com Facebook Compartilhar com Twitter Compartilhar com Google+ Compartilhar com LinkedIn Compartilhar com Pinterest

Guabiroba: conheça o cultivo, benefícios e formas de uso


Um fruto nativo que serve de alimento para diversas espécies de animais, mas vem sendo cada vez mais incluída na dieta do nosso dia a dia

A guabiroba ou gabiroba, como é conhecida em algumas regiões, é uma espécie nativa do Brasil, presente nos Biomas Cerrado e Mata Atlântica.

Seu nome tem origem tupi e significa “árvore da casca amarga”. De fato, o tronco da gabirobeira (nome científico: Campomanesia xanthocarpa) é repleto de lascas que se desprendem de sua casca, formando um bonito aspecto natural.

Além disso, entre os meses de setembro e novembro, a árvore possui uma floração abundante e por isso é bastante usada como árvore ornamental.

A Guabiroba

A fruta guabiroba é saborosa, adocicada e pode ser consumida in natura ou utilizada no preparo de sobremesas.

É um fruto rico em vitaminas C e do complexo B, além de sais minerais, niacina, carboidrato e proteínas.

A guabiroba possui também propriedades terapêuticas com ações adstringente, antidiarreica, antigripal, anti-inflamatória e por isso ela é utilizada para cura pela medicina popular em várias regiões brasileiras.

Beneficios da Guabiroba

  • O consumo regular do fruto ajuda na prevenção da gripe, no tratamento de disfunções intestinais, como diarreia ou disenteria, e no alívio de cãibras;
  • A infusão das folhas de guabiroba em banhos de imersão têm efeito semelhante ao relaxante muscular: alivia as dores no corpo;1014
  • Os frutos da Guabiroba podem servir de alimento para um extenso número de peixes, pássaros, mamíferos de pequeno porte e répteis;
  • A madeira da guabirobeira é dura, pesada e resistente, apresentando uma ótima durabilidade natural. Por este motivo, o material é utilizado em diversos produtos da indústria, como, na confecção de instrumentos musicais, cabos de ferramentas e para tabuado de pisos, em geral;
  • A árvore da guabiroba auxilia no reflorestamento de áreas degradadas, sobretudo, na Mata Atlântica;
  • A casca da árvore da Guabiroba, se fervida em água por 10 a 15 minutos, resulta em um chá que auxilia no tratamento de doenças do trato urinário, como cistite e uretrite.

 

Atenção:

As plantas medicinais não devem substituir o acompanhamento médico e em altas doses podem se tornar prejudiciais à saúde.

 

Como é feito o cultivo da Guabiroba?

A planta não é muito exigente com cuidados: não necessita de poda para frutificar e seu crescimento é de médio a rápido.

A guabirobeira pode atingir até 20 metros de altura e é muito resistente à poluição. A árvore é abundante em áreas úmidas das matas, mas também apresenta boa resistência aos climas frios.

A guabiroba frutifica anualmente entre os meses de novembro e dezembro.

Apesar da produção de um número abundante de sementes, uma vez extraídas do fruto, elas perdem a capacidade de germinação muito rápido, por isso, é indicado o plantio o quanto antes.

Se o semeio não for feito logo após a extração, as sementes irão secar, desidratando e perdendo suas capacidades de germinação.

Para  extrair as sementes, é preciso colher frutas saudáveis e maduras, e em seguida, amassar os frutos, lavando-os em água corrente para a remoção de sua polpa e separação das sementes.

Modos de preparo da Guabiroba

Além de ser consumido em sua forma natural, o fruto é muito utilizado em diversas regiões do país para o preparo de doces, bolos, geleias, sucos, licores, mousse, pudins e sorvetes.

Em julho de 2019, o Ministério do Meio Ambiente publicou o livro “Biodiversidade Brasileira: sabores e aromas”, que reúne receitas regionais utilizando espécies nativas.

Destacamos do livro, uma receita de um bolo de guabiroba, baru e banana, bastante nutritiva e saborosa.

 

Bolo do Planalto Central

Rendimento: 15 porções

Ingredientes:

  • ⅔ xícara de chá de manteiga, sem sal
  • 1 xícara de chá de açúcar refinado
  • 2 ovos
  • 2 bananas prata, maduras e amassadas
  • ¾ xícara de chá de Baru, castanha, torrada, sem pele e picada
  • 1 xícara de chá de gabiroba, com semente, processada
  • 1⅔ xícara de chá de farinha de trigo
  • ½ xícara de chá de leite
  • 1 colher de sopa de fermento

Modo de preparo

1. Bater a manteiga com o açúcar até obter um creme claro e homogêneo.

2. Adicionar os ovos, um a um. Misturar.

3. Incorporar à mistura a banana, a gabiroba e o baru.

4. Acrescentar a farinha alternando com o leite. Colocar o fermento e misturar, delicadamente.

5. Assar em forno pré-aquecido (180oC), por 35 minutos.

Sugestão: Usar margarina e água para uma versão sem lactose.




O que você procura?





fechar

Obrigado!


Seu cadastro foi realizado com sucesso.



fechar
Loading