Alimentação em Foco Menu
Quais alimentos oferecer em cada fase de vida da criança?

Compartilhar com Facebook Compartilhar com Twitter Compartilhar com Google+ Compartilhar com LinkedIn Compartilhar com Pinterest

Quais alimentos oferecer em cada fase de vida da criança?


O desenvolvimento saudável das crianças e adolescentes passam necessariamente por uma boa alimentação. Saiba quais alimentos oferecer para garantir uma vida saudável para seu filho

Quando nasce um bebê, junto com o encantamento de ter um novo membro na família, chegam as inúmeras dúvidas de como cuidar de todas as diferentes fases do seu desenvolvimento.

À medida em que os meses vão passando, as dúvidas aumentam na mesma proporção do desenvolvimento da criança.

Sempre existem pessoas para opinarem nos cuidados: “Esse bebê já está grandinho, será mesmo que não pode experimentar nossa comida?”, “Está muito calor, ele deve precisar de mais água ou um suquinho”. “O chá ajuda o recém-nascido a não ter cólicas.”

São tantas informações e opiniões diferentes, que muitas vezes os pais ficam em dúvida qual seguir, não é mesmo?

Pensando nisso, preparamos um resumo sobre as práticas adequadas de introdução alimentar, de acordo com cada etapa de vida da criança.

Por onde começamos?

Bem, para entendermos a importância de respeitarmos a alimentação de cada fase de vida da criança, podemos fazer um paralelo com seu desenvolvimento.

Da mesma maneira que as habilidades psicomotoras dos bebês são desenvolvidas ao longo do seu crescimento, como por exemplo, a capacidade de sentar, engatinhar, andar e falar, os órgãos dos bebês também não nascem completamente formados.

O sistema digestivo e os rins dos bebês e das crianças pequenas são imaturos, o que limita a sua habilidade de manejar alguns componentes presentes nos alimentos, podendo apresentar reações de hipersensibilidade e alergia.

Nas fases maiores as crianças precisam de mais ou menos ingestão de calorias e nutrientes para suprir suas necessidades diárias que passam a incluir atividades físicas e principalmente mentais com a frequência escolar.

Por isso, separamos a seguir algumas recomendações divididas por fases.

FASE – 0 a 2 anos

Especialmente os dois primeiros anos de vida da criança são caracterizados por um crescimento muito acelerado.

Em média um bebê cresce 25 centímetros no primeiro ano de vida e 12 centímetros no segundo, passando então a crescer de 5 a 7 centímetros a partir dos três anos.

Desta maneira percebemos o quanto o organismo precisa de muitos nutrientes para se desenvolver nessa fase inicial e a alimentação passa a ter um valor fundamental na saúde da criança.

Quando a ingestão de alimentos é inadequada, pode gerar deficiência nutricional, alterar o crescimento, rendimento escolar futuro e ocasionar doenças crônicas não transmissíveis. Em casos graves, a falta de nutrientes pode levar a criança a óbito.

O Ministério da Saúde e a Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) criaram o “Guia Alimentar para crianças menores de dois anos” para melhorar a alimentação das crianças pequenas no Brasil.

Neste guia foi destacado um manual de dez passos para a alimentação saudável da criança brasileira, respeitando sua cultura e desenvolvimento.

São eles:

PASSO 1

Dar somente leite materno até os seis meses, sem oferecer água, chás ou qualquer outro alimento.

  • O leite materno contém tudo o que a criança necessita até o 6.º mês de idade, inclusive água, além de proteger contra infecções.

PASSO 2

A partir dos seis meses, oferecer de forma lenta e gradual outros alimentos, mantendo o leite materno até os dois anos de idade ou mais.

  • Com a introdução da alimentação complementar, é importante que a criança beba água nos intervalos das refeições.

PASSO 3

A partir dos seis meses, dar alimentos complementares (cereais, tubérculos, carnes, leguminosas, frutas e legumes) três vezes ao dia se a criança receber leite materno e cinco vezes ao dia se estiver desmamada.

  • No segundo ano de vida, devem ser acrescentados mais dois lanches, além das três refeições.
  • Se a criança não está mamando no peito, deve receber cinco refeições ao dia, com alimentos complementares já a partir do sexto mês.

PASSO 4

A alimentação complementar deve ser oferecida sem rigidez de horários, respeitando-se sempre a vontade da criança.

  • Sugere-se que para a introdução alimentar das crianças em aleitamento materno sejam oferecidas, sem esquema rígido de horário, três refeições complementares: uma no período da manhã, uma no horário do almoço e outra no final da tarde ou no início da noite.
  • Para as crianças já desmamadas, devem ser oferecidas três refeições e dois lanches, assim distribuídos: no período da manhã (desjejum), meio da manhã (lanche), almoço, meio da tarde (segundo lanche), final da tarde ou início da noite (jantar).

PASSO 5

A alimentação complementar deve ser espessa desde o início e oferecida de colher; começar com consistência pastosa (papas/purês) e, gradativamente, aumentar a sua consistência até chegar à alimentação da família.

  • A partir dos oito meses, podem ser oferecidos os mesmos alimentos preparados para a família, desde que amassados, desfiados, picados ou cortados em pedaços pequenos.

PASSO 6

Oferecer à criança diferentes alimentos ao dia. Uma alimentação variada é uma alimentação colorida.

  • Só uma alimentação variada evita a monotonia da dieta e garante a quantidade de ferro e vitaminas que a criança necessita, mantendo uma boa saúde e crescimento adequados.
  • Os alimentos devem ser oferecidos separadamente, para que a criança aprenda a identificar as suas cores e sabores. Colocar as porções de cada alimento no prato, sem misturá-los.

PASSO 7

Estimular o consumo diário de frutas, verduras e legumes nas refeições.

  • Para temperar os alimentos, recomenda-se o uso de cebola, alho, óleo, pouco sal e ervas (salsinha, cebolinha, coentro).

PASSO 8

Evitar açúcar, café, enlatados, frituras, refrigerantes, balas, salgadinhos e outras guloseimas, nos primeiros anos de vida. Usar sal com moderação.

PASSO 9

Cuidar da higiene no preparo e manuseio dos alimentos; garantir o seu armazenamento e conservação adequados.

  • Os alimentos oferecidos às crianças devem ser preparados pouco antes do consumo; nunca oferecer restos de uma refeição.

PASSO 10

Estimular a criança doente e convalescente a se alimentar, oferecendo sua alimentação habitual e seus alimentos preferidos, respeitando a sua aceitação.

  • Para garantir uma melhor nutrição e hidratação da criança doente, aconselha-se oferecer os alimentos de sua preferência, sob a forma que a criança melhor aceite, e aumentar a oferta de líquidos.

O governo brasileiro e órgãos representativos no Brasil recomendam o aleitamento materno exclusivo até o 6º mês de vida e adequação das práticas da alimentação complementar ao leite materno a partir dessa idade.

FASE – 2 a 7 anos

Essa fase é caracterizada pela estabilização do crescimento estrutural e ganho de peso. Desta forma, existe uma necessidade maior de ingestão energética.

Nessa etapa as crianças sofrem muitas influências dos hábitos das famílias, no entanto é nessa etapa também que elas começam a fazer suas próprias escolhas alimentares, portanto, passa a ser um desafio para os pais manter a alimentação adequada.

FASE – de 7 a 10 anos

Esta fase é caracterizada por um período de crescimento e, portanto, demandas nutricionais elevadas. A criança costuma ser muito exigida fisicamente e mentalmente por conta das atividades que pratica no dia.

Nesta etapa, a criança já tem seu cardápio adaptado a rotina e hábitos da família.

FASE – de 10 a 20 anos

Essa etapa contempla a pré-adolescência, adolescência e início da vida adulta.

Os hábitos alimentares nessa fase sofrem mais influências das culturas, regiões e estilo de vida da pessoa.

Nesse período também cada pessoa já tem sua peculiaridade quanto a estatura, maturação sexual, mudanças na estrutura do corpo e entre outros, portanto, recomenda-se utilizar as orientações de um médico ou nutricionista para a criação de um cardápio personalizado.

O Ministério da Saúde e a Organização Pan-Americana da Saúde elegeram dez passos para uma alimentação saudável para crianças e adolescentes nessa fase.

São eles:

PASSO 1

Procure oferecer alimentos de diferentes grupos, distribuindo-os em pelo menos três refeições e dois lanches por dia.

PASSO 2

Inclua diariamente alimentos como cereais (arroz, milho), tubérculos (batatas), raízes (mandioca/macaxeira/ aipim), pães e massas, distribuindo esses alimentos nas refeições e lanches ao longo do dia.

PASSO 3

Procure oferecer diariamente legumes e verduras como parte das refeições da criança. As frutas podem ser distribuídas nas refeições, sobremesas e lanches.

PASSO 4

Ofereça feijão com arroz todos os dias, ou no mínimo cinco vezes por semana.

PASSO 5

Ofereça diariamente leite e derivados, como queijo e iogurte nos lanches, e carnes, aves, peixes ou ovos na refeição principal.

PASSO 6

Alimentos gordurosos e frituras devem ser evitados; prefira alimentos assados, grelhados ou cozidos.

PASSO 7

Evite oferecer refrigerantes e sucos industrializados, balas, bombons, biscoitos doces e recheados, salgadinhos e outras guloseimas no dia a dia.

PASSO 8

Diminua a quantidade de sal na comida.

PASSO 9

Estimule a criança a beber bastante água e sucos naturais de frutas durante o dia, de preferência nos intervalos das refeições, para manter a hidratação e a saúde do corpo.

PASSO 10

Incentive a criança a ser ativa e evite que ela passe muitas horas assistindo TV, jogando videogame ou brincando no computador.

A formação de bons hábitos alimentares começa na infância e à medida que as crianças crescem, torna-se mais difícil manter uma boa alimentação, porém investir numa boa prática alimentar é um dos melhores legados que os pais podem deixar para o futuro dos seus filhos. Todo o esforço vale a pena!




O que você procura?





fechar

Obrigado!


Seu cadastro foi realizado com sucesso.



fechar
Loading