Alimentação em Foco Menu
Cascas, talos e sementes podem ter até 40 vezes mais nutrientes do que a polpa

Compartilhar com Facebook Compartilhar com Twitter Compartilhar com Google+ Compartilhar com LinkedIn Compartilhar com Pinterest

Cascas, talos e sementes podem ter até 40 vezes mais nutrientes do que a polpa


Descartar partes do alimento que serviriam para o consumo está entre os maiores hábitos de desperdício do brasileiro

Jogar fora as cascas, talos e sementes dos alimentos parece um ritual natural no preparo das refeições. Em geral, essas partes não parecem ter nenhuma função ou sabor.

Retiramos, cortamos e descascamos como se fosse uma etapa do processo de higienização dos alimentos que iremos consumir.

Mas será que essas partes do alimento não podem ser consumidas?

Não só podem, como devem. Ricos em vitaminas e fibras, as cascas podem ter até 40 vezes mais nutrientes do que a própria polpa. Mas, como toda regra, é claro que existem exceções, nem todos os alimentos devem ser consumidos com a casca.

O aproveitamento integral dos alimentos vem tomando espaço nas escolas e na mídia nas últimas décadas.

Trata-se de um método que visa o uso total dos componentes de um alimento no preparo das refeições, utilizando inclusive partes não convencionais na cozinha, como cascas, raízes ou folhas.

Com isso, aproveita-se todos os nutrientes disponíveis em um alimento, além de contribuir com a redução de lixo e a economia doméstica.

O desafio é conscientizar a população e vencer o preconceito do uso integral de determinados alimentos nas refeições.

Antigamente, a grande maioria da população vivia no campo e com isso tinha uma relação muito mais próxima com a comida.

Acompanhava-se de perto o crescimento das plantas que seriam consumidas, conhecia-se quais eram venenosas ou quais eram os benefícios de cada uma delas.

O contato direto com os alimentos permitia seu melhor aproveitamento e os conhecimentos eram transmitidos de geração em geração.

Com a população migrando para as grandes cidades, esses costumes foram esquecidos, e tomar chá de casca de laranja, por exemplo, passou a ser hábito apenas dos mais velhos.

Você sabia?

A casca da laranja tem 40 vezes mais cálcio do que a polpa.

Na tabela abaixo divulgada no livro “Diga não ao desperdício & Pancs” do Governo do Estado de São Paulo é possível comparar a quantidade de nutrientes de alguns alimentos entre suas partes convencionais e não convencionais ao consumo.

tabela comparativa de valores nutricionais das partes convencionais com as partes não convencionais de alguns alimentos

A seguir separamos algumas partes dos alimentos que podem ser utilizadas para o consumo:

Cascas: de batata inglesa, tangerina, laranja, mamão, banana, maçã, beterraba, melão, maracujá, abacaxi, goiaba, manga e abóbora.

Sementes: de abóbora, melão e jaca.

Folhas: de cenoura, beterraba, batata doce, nabo, couve-flor, abóbora, brócolis e rabanete.

Talos: de couve-flor, brócolis, espinafre, agrião e beterraba.

Entrecascas: de melancia, melão, mandioca e maracujá.

Dicas para aproveitar cascas, sementes, folhas e talos

  • O consumo de cascas, folhas e talos requer uma higienização mais caprichada para redução de sujeiras e pesticidas.
  • Sempre que possível, dê preferência para alimentos orgânicos.
  • Se estiver danificada ou com aparência de podre não utilize o alimento.
  • Algumas cascas ou sementes podem ser tóxicas, não “invente” receitas novas sem antes estar informado sobre a segurança de tal alimento.

Algumas vantagens de utilizar talos, sementes, entrecascas, raízes, folhas e cascas na alimentação:

  • Mais nutrientes concentrados
  • Economia no orçamento das famílias
  • Variação do cardápio
  • Redução de lixo orgânico
  • Consumo consciente

Leia também: O que o Brasil está fazendo contra o desperdício de alimentos

Veja a seguir algumas receitas que separamos para você:

Bolo de bagaço de milho verde
(Mesa Brasil, SESC)

Ingredientes:
• 2 colheres de sopa de margarina ou manteiga
• 2 xícaras rasas de açúcar
• 3 gemas
• 2 xícaras cheias de farinha de trigo
• 1 xícara de leite de coco
• 1 xícara de bagaço de milho verde
• 1 colher de sopa de fermento em pó
• 3 claras em neve
• sobras de queijo (opcional)

Modo de preparo:
Bater a manteiga com o açúcar e as gemas até formar um creme. Juntar a farinha, o leite, o bagaço de milho e o fermento pela ordem dos ingredientes, mexendo delicadamente. Despejar em uma forma untada e colocar alguns pedacinhos de queijo na massa. Assar em forno quente.

Dica: para fazer este bolo, utilizar o bagaço que sobrou do mingau de milho verde ou da pamonha.

Geleia de casca de banana

(Mesa Brasil, SESC)

Ingredientes:
• 1 kg de casca de banana
• 1 kg de açúcar
• 1 colher (sopa) de caldo de limão
• 1 xícara (chá) de água

Modo de Preparo:
Levar para cozinhar as cascas com água e quando amolecer, bater no liquidificador. Depois, colocar em uma panela, acrescentar o açúcar e o limão e levar de volta ao fogo para cozinhar, mexendo de vez em quando no início, e depois mexer sempre até soltar do fundo da panela. Retirar da panela e deixar esfriar.

No livro “Na cozinha com frutas, legumes e verduras” preparado pelo Ministério da Saúde em parceria com a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), você encontra mais receitas para preparo integral dos alimentos.

Informe-se e aventure-se em novas receitas na cozinha, além de ingerir ótimos nutrientes para seu corpo, você ajuda a sustentabilidade do planeta e traz um benefício de cerca de 20% de economia em alimentação doméstica para seu bolso.




O que você procura?





fechar

Obrigado!


Seu cadastro foi realizado com sucesso.



fechar
Loading